24 de julho de 2024
Colunistas Marli Gonçalves

Que gracinha…

Que gracinha… creio, diria muito, irônica, repetiria muitas e muitas vezes e a toda hora a nossa inesquecível Hebe Camargo ao saber de cada uma dessas coisinhas que acontecem por aqui e que querem que aceitemos como naturais e certas. Hebe não está mais entre nós com aquele seu jeitinho que chegava a ser engraçado de falar engraçado coisas sérias. Mas nós estamos. Então, “que gracinha!”

Foram me chamar, eu estou aqui, o que que há?

“Que gracinha”, não? Ela diz que vai apoiar a reeleição do atual prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, mas jura de pés juntos que não sobe nem chega perto do palanque onde estiver o ex-presidente Jair Bolsonaro, por acaso, vejam só, um dos maiores apoiadores de Nunes, que agora segue cercado de bolsonaristas, e onde quer que este vá, indômito, desafiando até a Justiça, como fez recentemente para entregar à Dona Michelle Bolsonaro um título de Cidadã Paulistana (!) usando (e conspurcando) a estrutura do Theatro Municipal de São Paulo. E tudo fica por isso mesmo.

Quem é essa gracinha? A atual ministra do MDB, Simone Tebet, do Planejamento e Orçamento do Brasil que há meses faz cara de boa gente, e ocupa um importante cargo no Governo Lula 3, obviamente o maior adversário disso tudo. A ponto de Lula ter trançado uns pauzinhos para trazer de volta ao PT a Marta Suplicy, de forma que essa possa ser candidata a vice na chapa de Guilherme Boulos, do PSOL.

Tebet acha mesmo que convence? A quem? Que ela olhe bem, porque no tal palanque vai estar cheio de gente de amarelinho recitando as barbaridades de costume. E vai encontrar com outro “gracinha”, Tarcísio de Freitas, o Governador “tô nem aí”, que também se esmera faz tempo andando da esquerda pra direita. O palco completo.

Que gracinha, cada fala estouvada do presidente Lula, outro que anda numa corda bamba de dar dó para parecer neutro: hora sai na defesa do Maduro, o ditador na Venezuela; hora faz alguma criticazinha sem mover uma palha. Manda beijos e abraços para Putin, e se esquiva como pode de perguntas sobre essas duvidosas “democracias”. Abaixo de seus pés deixa aliados fervendo em caldeirões, estimulando brigas e fofocas para poder mudar aqui e ali a equipe, e tentar ver se melhora um tiquinho a sua aprovação pública que não anda lá essas coisas.

A gente vai escutando. Aliás, escutando só, não. Que a turba faz é barulho nas redes sociais, onde quer que a gente tente se informar. Cada um puxa a corda para um lado, como se houvessem, repito, só dois lados e uma corda. A nova mania é querer obrigar.

Exemplo? O filhote mais novo de Lula, que também há anos vive envolto em polêmicas, agora foi denunciado por violência doméstica contra a sua companheira. Ruim. Péssimo. Mas os bolsonaristas soltam fogos de alegria, acham lindo ver o circo pegar fogo, como se esse horror justificasse os conhecidos horrores do pai e dos Filhos do Capitão, 01, 02, 03,04.

O que me irritou mesmo foi a provocação “nhem nhem nhem”: onde estão as feministas agora?”

Oiê! Estamos aqui. Bem atentas.

Foram nos chamar, estamos aqui, e em defesa de todas as mulheres que forem vítimas de violência, de ataques, sejam elas quem forem. O feminismo é um movimento histórico, importante, sério, de luta e libertação, e acima dessas picuinhas que, em geral, claro, são criadas por homens. Você pode ser feminista, e deveria, em todas as instituições a qual pertencer, sociais, políticas ou religiosas. Não se calar é a palavra de ordem.

Dito isso, aliás, o caso do filhote de Lula está sendo tratado na Justiça, que já concedeu medidas protetivas à ex-mulher e outras ordens. Leiam os jornais sérios. Está tudo lá, e se quiser um pouco de fofoca, tem também, nos portais, entrevista da vítima contando detalhes da barafunda.

Para terminar, mais um “que gracinha”! Um caso tumultuado. O riquinho motorista da Porsche assassina, que jura que não tinha bebido antes de pegar a direção e se envolver no acidente que matou um motorista de aplicativo e feriu gravemente o seu próprio amigo também. Tirado do local pela mamãe, só apareceu na delegacia com cara de nada dias depois. E dias depois, todos os dias, aparecem testemunhas contando dos bons drinques que ele teria ingerido. Tudo muito mal explicado. Enganam quem? Sempre para confundir, essas gracinhas.

Marli Gonçalves

Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon).

Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon).

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *