Feliz Natal? Como, se o mundo piorou?

amalatto_sddefaultMafalda, criação do genial Quino, cuida do mundo doente (Foto: Arquivo Google)

Mafalda, a simpática, espevitada e contestadora menininha argentina que desde seu nascimento, em 1964, se preocupa com o estado de saúde do Mundo, com certeza deve andar desconsolada. Ela, que nunca se conformou em aceitar, tal como são, as coisas quando lhe parecem erradas, que passou noites em vigília ao lado do globo terrestre que ardia em febre, que recusava a sopa insípida do dia a dia por saber que há pratos muito mais saborosos, com certeza não pensava que mais de 50 anos depois, o Mundo ainda estaria doente.
Não me esqueço de seu comentário mais ácido para o Mundo que tanto ama: Se você tivesse fígado, que hepatite, hein? Fígado ele não tem, Mafalda, mas está cada vez pior.
Das Américas, da Europa, da Ásia, da África, de toda parte só nos chegam notícias de como o Homem, dono do Mundo, consegue ser cada vez mais cruel com seus semelhantes e com o ambiente no qual vivemos.
A Guerra na Síria e tudo que isso representa de bárbaro e hediondo, com seus milhões de mortos e milhares de crianças com suas vidas arrebentadas, é tão inclemente e desgraçada que acho difícil festejar seja lá o que for quando só temos é vontade de gritar, tal qual a Mafalda em sua tirinhas ‘Basta!’.
O Mare Nostrum, que foi o berço de nossa civilização, virou o túmulo dos que tentam escapar de guerras e de ditadores e de fome e de doenças.  Atravessá-lo e ir viver na outrora linda Europa é o sonho de tantos que fogem de seus países, na esperança de poder dar a seus filhos a vida que em suas amadas terras lhes é negada.
Esquecem todos, ou quase todos, que os europeus muito lutaram e sofreram para chegar ao estado que hoje invejam. Cenário principal de duas guerras brutais há cem anos, será que a Europa merece ser novamente destruída? Mas, ao mesmo tempo, será que os refugiados que ali buscam um lar, não merecem ser acolhidos?
Na Inglaterra, terra de João Sem Terra, venceu uma estranha Brexit que pretende afastar as Ilhas Britânicas do Continente muito mais que os 240 km da parte mais larga do braço do Atlântico que os separa. Acho estranha a vitória do Brexit e como aprecio muito aquelas ilhas, torço para estar errada e para que o Brexit tenha sido a solução ideal. Mas… será?
Na riquíssima África, talvez o continente mais rico de todos, imperam a miséria e a fome e os ditadores arquibilionários que enchem as burras com o dinheiro que o Ocidente lhes envia para pagar pelos bens que a África torra, nunca em proveito dos africanos, sempre em proveito de seus chefes tribais transformados em chefes de governos brutais.
Na Ásia, dois gigantes, cada um de um lado da roda da vida. A China, sempre mais desenvolvida e rica, a Índia, cada vez mais atrasada e problemática. E uma Coreia do Norte nas mãos de uma dinastia ensandecida, que não sabemos ao certo se possui ou não armas nucleares. O que será do mundo se por acaso um chefete resolver apertar o botão errado?
Nas Américas, ah! meu Deus, nas Américas… Só em pensar em todo o estrago que uma figura como Donald Trump pode fazer ao nosso continente, e ao mundo, meu coração perde uns compassos e a arritmia se instala.
Quando leio um twitter do Trump só me vem à mente o seguinte: Saramago tinha razão. Do Twitter de 140 toques ao grunhido, é um suspiro… E esse presidente, que os americanos inadvertidamente elegeram, ao que parece pretende governar por twitters.
E aquele urso branco que já não tem onde caminhar, que fica imóvel sobre um pequeno pedaço de gelo porque a vastidão onde nasceu vem desaparecendo aos poucos? Será que não dá para alguém levar o Trump para sobrevoar o Polo Norte?
E aqui, em nosso quintal? Daqui não falo. Porque não sei o que dizer. Só sei perguntar: quando é que os réus vão ser julgados? Se demorar muito mais, nunca terminaremos nossa saga, porque a cada volta do parafuso, mais réus aparecem.
Como, então, desejar Feliz Natal ao mundo? Fica difícil, não é?
No entanto, como deixar passar em branco essa data? Quem sabe se todos gritarmos juntos o Mundo não saia de seu torpor?
Vamos lá, respire fundo e grite: Feliz Natal!
Fonte: Blog do Noblat

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *