Vergonha alheia no Rio de Janeiro

Tão logo a pandemia começou, o papo que mais se falava é que a COVID iria se alastrar nos bairros mais pobres da cidade, visto que a população local não teria a mesma “preocupação” dos mais abastados.

Usei a palavra “preocupação” para não mencionar outras que soariam pejorativas, mas é o que as pessoas realmente achavam e ainda pensam assim.

Bom, eis o que saiu hoje no jornal O Globo:

– Copacabana/Leme, Lagoa/Leblon, Ipanema, Rocinha, Tijuca, Vila Isabel e Barra da Tijuca estão no topo das áreas mais perigosas, enquanto o restante do Rio passou para o estágio considerado moderado.

– Dos bairros acima, o que pode ser considerado pobretão é a Rocinha que tem 70.000 habitantes com apenas UM caso da doença e UM óbito por coronavírus, nos últimos 15 dias.

– Convém ressaltar que essa favela tem poder aquisitivo superior a muitas cidades pobres do país. Seria, digamos assim, uma comunidade de “ricos”. Essa opinião é minha e não do jornal.

– A Região Administrativa com altíssimo poder aquisitivo e que tem os bairros de Ipanema e Leblon entre eles, concentrou SETENTA E QUATRO CASOS e DEZ ÓBITOS em duas semanas.

Bom, não vou citar todas as mortes e contaminações, mas fica aqui a dica:

Pode-se comprar tudo com dinheiro, menos inteligência e sabedoria.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *