Palavrões ( não muito legal para quem é preconceituoso)

Cresci em uma família em que os palavrões eram raros. Os mais ditos eram merda, diacho e muito raramente um filho da puta ou puta que o pariu.

Certas palavras eram proibidas como por exemplo buceta que até hoje eu acho pavorosa, não gosto. Na minha casa era xoxota que eu acho bonitinha. Cu então, NEM PENSAR. Era o máximo da degeneração humana.

Pênis era piu piu, “piru” ou pirulito quando criança. Bunda era bunda mesmo e nada de nádegas, mas só falávamos essa palavra em casa e não na rua. Na minha família ninguém mijava e sim urinava. Cocô era cocô mesmo e nada de fezes.

Até que uma parente gaúcha de um vizinho foi para o Rio e falou sacanagem. Como assim? Nenhuma moça de família falava essa palavra. Fiquei assustada e eu a considerei uma galinha. Sim, galinha era a palavra antes de ser criada a piranha.

Um dia, tendo uma crise de choro na casa de uma amiga que era a única que podia dormir com o namorado em casa (pai alemão, mãe belga, isso em meados dos anos 1970), eu ouvi a mãe dela dizer o seguinte: homem adora cheiro de porra, não a dele e sim a de outro.

Gente, eu com 21 anos de idade descobri que porra era esperma. Até então eu achava que era interjeição, rsrsrs.

Yvonne, eu não estou entendendo muito bem esse post quase escatológico. O que deu em você? Eu respondo: NADA. Só quis mostrar que o preconceito de hoje pode ser considerado ridículo amanhã. Moça de família da minha mocidade nunca mandou ninguém tomar no cu. Hoje em dia é a coisa mais comum do mundo, até mesmo de brincadeira.

Então amigos, antes de considerarem ofensivas certas coisas que vocês acreditam que sejam assim, tentem pensar diferente.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *