Pentear macacos e amolar bois

DSC07539
O humor dos franceses é único, mais engraçado que o dos vizinhos. Deve ser o lado latino e libertino.
A ultra direita que ameaça mais que nunca a Europa, com seu discurso xenófobo, bobo, feio e fedorento, há uns 20 anos, criou uma frase de efeito: ” La France aux Français”, ou seja, “A França para os Franceses”. OK, eu, conservador, acho que os povos não deveriam se misturar muito porque aí, o mundo vai ficar chato, todo igual. É legal falar que OS franceses são engraçados. Quando todo mundo for engraçado, nada terá graça. Brasileiro idiota faz piada com portugueses porque no fundo sabem que portugueses têm nada de burros. Franceses, da mesma forma, fazem piadas com belgas. Acho que as línguas deveriam ser próprias, como as moedas, as fronteiras, moda, culinária, hábitos. E isso não justifica ser nazista ou racista, coisa abominável e idiota.
Mas voltemos ao humor francês. Os caras pichavam os muros com “La France aux Français”,  aí veio um gaiato mais espirituoso e completou: ” La France aux Français et la Bourgogne aux escargots”. É como se a alguém escrevesse: “O Brasil para os Brasileiros” e alguém terminasse: “E Santa Catarina para as Ostras”. Não tem a mesma graça, eu o sei.
“Escargots à la bourguignonne” são um prato tradicional da cozinha francesa. Tradicional e delicioso. Fala-se escargot e logo lembra-se da região da Borgonha. Ah! Devido  à culinária, os ingleses, em sua birra secular contra os franceses, criaram o apelido “Frogs”: rãs, pererecas, porque perninhas/patinhas de rã também são um prato típico da França.
Eu gostaria de criar pererecas, mas do outro tipo… Mas isso é outro assunto.
Por causa da crise, pensando em mudar de profissão, “alguém me sugeriu” criar escargots em Barbacena, já que não ganho dinheiro com o jornalismo.
Adorei e consultei o site Emprega Brasil, onde achei várias páginas sobre como iniciar uma criação de escargot.
Eles explicam tudo: investimento, localização, equipamentos, fornecedores, mercado, atendimento e muito mais… Odeio quando alguém escreve “e muito mais”!
Dizem que a criação de escargots é um investimento lucrativo, um diferencial no mercado.
Escargots têm baixo teor de gordura e colesterol.
A criação de escargot, também conhecida como helicicultura, destinada ao comércio no Brasil data do início da década de 80. Antes disso, os moluscos… Putz! Molusco? Lembrei do Lula. Começou mal…
Moluscos, antes do PT, eram criados como atividade meramente esportiva, por hobby.
A carne é rica em proteína, cálcio, ferro, magnésio e sódio.
Estão gostando? Emocionante? Excitante?
Vocês nada viram…
Vejam que bacana: “É comum o aproveitamento de espaços utilizados anteriormente para outros fins como garagens, paióis, cocheiras, pocilgas, etc”.
Pocilga!
A área mínima para criação varia de 20 m² a 60 m². Deve possuir água potável e blá-blá-blá.
Investimentos: calcula-se em alguma coisa como R$ 20 por m2, com um investimento inicial de R$ 400 é possível adquirir três caixas para a criação (60 reprodutores), além de sobrar uma verba para um curso.
O último tango ou o primeiro escargot em Paris a gente nunca esquece, nem com o vinho da Alsácia!
Bom, não vou entrar em mais detalhes, como os equipamentos básicos: termômetros; higrômetro; pulverizador de água e… muito mais!
A mão de obra? Varia de acordo com a estrutura do empreendimento.
As instalações da helicicultura? Já falei…
Três tipos de criação de moluscos possíveis:
Em Paris, podemos comprá-los prontos, no supermercado. Basta colocar a bandeja no forno e pegar os garfinhos apropriados. Para acompanhar, vinho branco e música francesa a gosto.
Caixas de criação?
Importante: os animais e seus excrementos não lançam mau cheiro no ambiente de criação.
Chega! Tá bom! Nunca criarei escargots, assim como nunca pensei em escrever sobre como criar escargots.
Eu achava que tinha uma namorada muito chique, elegante e educada. Ela continua muito educada, elegante e chique, mas acho que nunca foi minha namorada.
Dia 15 de maio, num domingo comum de futebol e “Game of Thrones”, ela, mui preocupada com meu futuro, sugeriu que eu voltasse para Barbacena e criasse escargots.
Acho que foi o jeito elegante, chique e educado de me mandar plantar batatas…
Acho também que criar escargots era uma alusão para me chamar de lesma, acomodado…
PS: vou sentir falta, daquela noite, em Paris, no início de 2016, quando comemos escargots. Podia ter sido pior, o prato poderia ter sido filé de brontossauro. E ela me recomendaria criar clones meus, num Jurassic Park.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *