A Inocenta sem Visconti

TchauInocentaFoto-montagem: pelo próprio autor

Agora que consegui o que queria, há mais de 13 anos, posso falar.
Numa coisa e só em uma, os petistas defensores de Dilma, tinham razão: Ela não caiu por causa das pedaladas e demais ginásticas fiscais. São crimes graves, passíveis de impeachment, prisão, etc. Mas não no Brasil.
Neste país de quinta categoria, recheado de corruptos por todos os lados, pedaladas são cócegas.
Pedaladas teriam sérias consequências em países sérios, como a Suécia, por exemplo. País chato, mas sério.
Mas Dilma merecia o impeachment, no mínimo, porque é feia e burra, rsrsrs. O que não é crime, mas compromete e tem consequências sérias.
Collor não caiu porque roubou com PC Farias. Caiu porque, soberbo, deu uma banana podre aos comparsas, esnobou os colegas, não tinha apoio parlamentar.
Mesma coisa serve para Dilma. Mas, por que Dilma perdeu o apoio dos podres poderes, seus iguais?
Porque sobrou pra ela, ora bolas.
Sobraram pra ela a Herança Maldita de Lula e do PT, mais o Conjunto da Obra.
Dilma dançou o tango argentino pelo Conjunto da Obra; conjunto tão gigantesco que nem cabe aqui.
Todavia e cotovia, uma obra, o Petrolão, e dois homens foram fundamentais. Questão de ordem e pela ordem, Eduardo Cunha & Sérgio Moro; Imprudente & Prudente de Moraes.
Contra bandido, só bandido!
Com esta oposição mequetrefe que temos, só Eduardo Cunha, com seu saco de maldades e inteligência, foi capaz de tirar Dilma de sua zona de bagunça e conforto. Digam o que quiserem  de Dudu Cunha, mas, pra mim, está perdoado e merece uma estátua em Brasília.
Se o PT não tivesse sido tão PT FDP com Cunha, Dilma ainda estaria aí, falando suas asneiras de sempre.
Porém, as artimanhas de Dudu Cunha não teriam vingado sem a lei disfarçada de malandragem, ou vice-versa, usada por Moro.
O Impeachment de Dilma já estava desbotado e esquecido no fundo da gaveta, até Moro, “sem querer”, divulgar aquela gravação entre Dilma e Lula. Aquele grampo onde Dilma oferece cargo de ministro para o vagabundo não ser preso.
Moro foi tão inteligente que, jogou a pedra no ventilador, saiu, fingiu que sabia de nada, mas o estrago estava feito. Pediu até desculpas e, com certeza, depois morreu de rir.
Dilma foi o boi de piranha. Inocente útil, “inocenta útila” e rútila!
Pagou os pecados de seu mundo de lama.
Sobrou pra ela, foi sacrificada até por Lula.
Mereceu cair e nunca deveria ter sido eleita, muito menos reeleita! Uma boba!
E digo mais, como Dilma, Al Capone merecia ser preso pelo conjunto da obra, mas a “desculpa” foi outra. Só foi pra cadeia por causa de suas pedaladas fiscais com o imposto de renda.
A mim resta o consolo do alívio da coerência.
Desde 2002, antes de Lula ser eleito, sou ferrenho opositor do PT, mesmo sem bola de cristal, eu sabia o que ia acontecer. Resultado, só arrebanhei problemas, perseguição e virei chacota.
Se estou feliz? Não, repito, estou aliviado. Antes tarde do que nunca. Aqui não dá pra ser feliz, nem otimista. Aos 53 anos sei que o Brasil é cronicamente inviável.
Para terminar, dia 4 de novembro de 2010, logo depois da primeira eleição de Dilma, escrevi uma crônica no jornal O Tempo, de Belo Horizonte e fui mais crucificado que Jesus. Só não fui demitido porque, o dono do jornal, Vittorio Medioli, me defendeu.
Relendo a crônica, insisto na ausência da bola de cristal, mas confesso um quê de profecia. Vou resumir, com os melhores e mais modestos momentos, tá? O nome da crônica era: “Tudo pode dar certo pra continuar errado…”.
Começava assim:
O jeca estava sendo traído pela esposa com o canalha do Valter, seu melhor amigo da onça.
– Abre o ôio, cumpádi!, diziam os amigos.
– Quar nada, o Várte é meu irmão de fé, cêis acha que ele ia fazê uma coisa dessas cumigo?
– Pois é verdade, cê tem que creditá!
Mesmo assim, desconfiado, dia seguinte, Cornélio se esconde dentro do armário. Logo, lá está a mulher, toda fogosa, entrando no ninho de amor do casal acompanhada, óia só, pelo safado do Valter. Dentro do armário, o chifrudo só observa, angustiado, sua musa e o traíra. Dia seguinte, envergonhado, admite sua cornitude:
– Foi um horror, uma sem-vregonhice! Ela tirô o sutiã, os peitos caíro no chão. Tirô a carcinha, a bunda dispencô. Tiro a meia-carça, aquela montoêra di variz que parecia um mapa da Amazônia, aquelas perna cabiluda qui Deuzolivre, na hora eu botei a mão na cara e pensei, “Ai que vergonha do Várte!
Foi o que eu e mais de 43 milhões de brasileiros sentimos domingo: vergonha do mundo.
O povo votou…
A ignorância custa muito mais caro que a educação.
Como diz minha guru, Odete Roitman, “Será que essa gente aprende nada, não viaja, não vai a Paris? Essa gente vai nem a Buenos Aires” e quer votar… Que falta de absurdo!
E as abstenções? Quase 30 milhões que reclamam de tudo, mas, na hora de votar, estão tomando Activia e andando para o Brasil.
Mais quatro anos, no mínimo, de Tiriricas e titicas de galinha! A solução final foi votar secretamente no Serra, cumprimentar os mesários e bye bye Brasil.
Cazuza berrava: “Brasil, mostra a tua cara. Brasil, qual é o teu negócio, o nome do teu sócio…”. O Brasil mostrou foi a bunda. E bunda feia, caída. Que vergonha do cumpadi!
Por isso, a pérola na Internet nos últimos oito anos: no Brasil quem elege presidente não são os leitores de jornal, mas quem limpa a bunda com ele!
Chega de intermediários: Zé Dirceu para presidente! Ou então Michel “Há O Que” Temer, Sarney, Collor, mensaleiros, traficantes de influências, cuequeiros, Lula, lulinhas e falta jornal pra nomear toda a quadrilha…
Tchau Lula, bem-vinda “presidenta”!
Nelson Motta escreveu que o mau caráter de nossos políticos está na cara feia e nos nomes ridículos.
No primeiro pronunciamento de Dilma, a cara feia do PT tava toda representada. Ao lado dela, “Paloffi”(Palocci), Lula e Temer, com sua indefectível cara de mordomo de filme de terror; um roteiro anunciado para 2011, já que, quem vai mandar mesmo é o PMDB. Atrás dela, os puxa-sacos e papagaios de pirata de sempre. Uma cara pior que a outra, babando más intenções e sede de sangue.
Não é por acaso que Dilma teve avalanche de votos naqueles estados de sempre e Serra nos mais ricos e produtivos. Minas, confirmando a fama, ficou no meio do muro, na tocaia. Bem traíra, deu tapinha nas costas de Serra e depois o apunhalou no mesmo lugar…
O Centro-Oeste votou em Serra porque tem medo do Movimento dos Sem Terra (MST). Boa região pra eu fundar o Movimento dos Sem Serra (MSS).
A “presidenta” Dilma, a púcara búlgara, disse, segunda, no Jornal Nacional que, chorou aos poucos ao saber que tinha sido eleita, começou no hotel, ao agradecer Lula. Chorou “por fora e por dentro”…
E eu digo: cada um chora por onde sente saudades…
Lula… Pelo menos ficamos livres dele. Será? Ele já tá com cara de vaca indiana ao descobrir que não era sagrada…
Pro PT alternância de poder é trocar Lula por Dilma e Dilma por Lula de novo… Rodízio entre o caboclo mamador e a pomba gira…
Assim, os desonestos por natureza, coniventes, aprovaram o uso recreativo da corrupção “nunca antes na história deste país”; o jeitinho, a Lei de Gérson… Micróbios, vermes, prótons, aborígines cloroformizados por mórmons polígamos, pigmeus energúmenos, cabeças de bagre, Walking Dead.
Invocando o Princípio da Incerteza de Heisenberg, vou pedir a recontagem manual dos votos… E quero meu Homeopax, meus sais e meu Pentotal na veia…
Ai meu Deus que saudade do Lula, aquilo sim é que era mulher. Às vezes passava sede ao meu lado e achava bonito só ter querosene pra beber…
PS1: A chuva de merda vai tapar o sol nos próximos quatro anos? Ótimo! Combateremos à sombra. Mas, é claro que o sol vai voltar amanhã.
PS2: Errei por dois anos, em vez de quatro, seis anos. Torçamos para que, saindo das nuvens do PT, Temer seja pelo menos um raio de sol.
 

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *