Washington & Jefferson!

Quem assistiu ao vídeo daquele circo que chamaram de reunião ministerial, do dia 22/4 e depois viu esse da última terça-feira deve ter se lembrado daqueles personagens encanadores, dois broncos incompetentes, que abusavam dos palavrões na hora de executar o serviço e que nunca resolviam o problema.

Quando interpelados pelo chefe, sempre enfurecido pelas reclamações que recebia, mostravam espanto e apelavam até para um palavreado mais rebuscado, erroneamente empregado, porém: “O que fizéramos, patrão?

Jô Soares e Eliezer Motta, ao que parece, fizeram escola com seus personagens.

Nesta última reunião, vi o presidente Bolsonaro travestido de Washington quando, finalmente (provavelmente aconselhado por algum personal educator), resolveu tratar o assunto Covid-19 com mais humanidade. Disse que lamenta profundamente as mortes e que reza para que passe logo essa pandemia.

“Acreditáramos”?

 O “vai morrer gente, e daí?” era a fala do Washington enquanto explodia algum encanamento e essa de agora é a fala do Washington na frente do chefe, no caso, das câmeras.

Nessa reunião não teve ministro querendo passar a boiada enquanto a imprensa estava distraída, não teve ministra que, do alto da goiabeira, sugeria que se prendessem governadores e prefeitos, não teve ministro querendo prender os “vagabundos” do STF.

Enfim, estavam todos calmos, bem ensaiados, inclusive o presidente, que deve ter engolido muito putaqueopariu e muita poha até que acabasse a reunião.

Muito bem, crianças! Vocês merecem um pirulito pelo comportamento, mas pelo aproveitamento em classe vão ficar sem o prêmio.

 O que de útil saiu dali?

Além de insistir que todos voltem ao trabalho e saiam tranquilamente às ruas, Bolsonaro, só pra não perder o vício, voltou a hostilizar a imprensa dizendo que as informações transmitidas à população “não passaram de pânico pregado pela mídia lá atrás” (epa!).

E para acabar com o “pânico” da doença, o que fez o Ministério da Saúde? Atendendo a ordens explícitas do presidente que não queria que o número de mortes diárias chegasse aos quatro dígitos, mandou os dados para a sala de maquiagem do Ministério e, assim, como num passe de mágica, os números baixaram no mesmo dia de mil trezentos e muitos para quinhentos e poucos.

Eduardo Pazzuelo, o eterno ministro interino da Saúde, deve ter invocado o grande ilusionista Houdini para fazer com que 857 mortos desaparecessem no éter em pouco menos de duas horas.

 Por falar em éter, esse ministro deve estar cheirando um. Pazuello disse no último dia 9 que as regiões Norte e Nordeste do país já estão na fase final da pandemia. Ele jura de pés juntos que essas regiões foram mais impactadas pelo fato de estarem “mais ligadas ao inverno do Hemisfério Norte”.

Como, senhor? Pode repetir, por favor?

  Não, não! Pensando bem é melhor que não repita. Já estamos passando bastante vergonha lá fora. Vamos fazer de conta que não ouvimos, talquei?

O Brasil é um país tão pródigo em humorismo que num pulico vai do “Veja o Gordo” para a “Zorra Total” facim, facim. Ophélias é que não faltam: “Só abro a boca quando tenho certeza”.

Mais uma prova de que o país virou uma zorra total?

No dia 4/6 saiu no Diário Oficial que Jair Bolsonaro estava transferindo quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para a Secom, a Secretaria de Comunicação da Presidência encarregada de distribuir o dinheiro da publicidade do governo, que até então estava indo para as mãos dos blogueiros bolsonaristas (muitos deles na mira da PF por propagação de fake news) e até para sites pornô (tem sentido). Mas a portaria não colou e foi revogada esta semana.

Pelo menos isso!

Né que este Brasil é uma grande comédia?

Sai de baixo!

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *