Raspadinha!


Se as urnas emitissem algum cupom ou coisa parecida, os candidatos que não se elegeram nessas eleições, receberiam uma espécie de raspadinha da sorte (no caso, do azar), com um “não foi dessa vez”, e um emoji de sinto muito 😔! Afinal foram meses de trabalho intenso, percorrendo cidades, comendo buchada de bode e outras iguarias, imprescindíveis nas campanhas políticas!
Sobre alguns, que prefiro não citar os nomes pra não cometer injustiça com os que não foram citados, lamento sinceramente, que não tenham conseguido.
Depois de tanta luta e de tanto empenho em ajudar a construir um Brasil melhor, mereciam um lugar ao sol. (Por mais incrível que isso possa parecer, ainda existem políticos honestos e bem intencionados no país!).
Quanto a outros aí que não entraram, confesso, aplaudi! Na lista dos “reprovados” tinha nomes que me fizeram rir igual ao sarcástico Muttley, aquele personagem cachorro dos desenhos animados (sua primeira aparição foi no filme Corrida Maluca” em 1968. Lembram?). Ele costumava levar a pata à boca pra tentar conter um hi, hi, hi quando seu parceiro Kid Vigarista fazia alguma trapalhada. E ele sempre fazia!
Então, para esses, vai a minha salva de vaias e um “bem feito” de boca cheia!
Exemplos? As velhas raposas que mamaram por longos anos nas tetas da nossa pátria mãezona, como as do clã Sarney.
Roseana, a filha do “dono” do Maranhão, teve quatro mandatos como governadora, um como Senadora, e um como Deputada Federal pelo seu Estado.
E daí? vão perguntar alguns, argumentando que se ela foi eleita por tantas vezes, é porque é querida pelo povo maranhense.
Mas se sabe que nem sempre o motivo é esse. Algumas vezes (ou na maioria delas), os outros candidatos não conseguem concorrer em pé de igualdade, com os que têm a máquina administrativa a seu favor.
Segundo o que foi apurado pela Lava Jato, o dinheiro que financiava suas campanhas, somas vultosas, diga-se, era proveniente de propinas pagas pela Odebrecht. Aliás, uma prática que já vinha, desde a época (1985/1990), em que o “papi” mandava no pedaço! Na lista da empreiteira ela aparecia com o codinome de “Princesa”. (🐸)
Outros nomes que foram varridos do mapa nessa eleição, como os de Dilma Rousseff, Lindbergh Faria, Eunício Oliveira, Roberto Requião, Vanessa Grazziotin, Eduardo Suplicy, e mais alguns da patotinha, foram os que passaram seus mandatos esquentado cadeiras, e não apresentaram nada de relevante à nação. Esses, que recebam, pois, incontidas e inúmeras risadas do Muttley.
Já na leva dos que se elegeram, tem dois que despertam em mim, uma curiosidade freudiana.
Gostaria muito saber que cazzo acontece na cabeça do eleitor na hora de votar, que justifique tanta incoerência. Primeiro ele faz uma limpeza no armário, jogando fora o que não tem mais serventia e, ao mesmo tempo coloca pra dentro, peças de utilidade duvidosa. Estou falando dos candidatos dotados de consistência política zero, Tiririca e Alexandre Frota (esse bem dotado em outros assuntos, dizem as boas e más línguas), que estouraram a boca das urnas com a quantidade exorbitante de votos que tiveram.
Todos sabem que a única coisa que Tiririca fez enquanto Deputado Federal, foi defender interesses do mundo circense, do qual faz parte.
Com base nisso, podemos pensar que se Alexandre Frota, seguir os passos do colega artista, irá defender o mundo do qual, até pouco tempo, fazia parte: o cinema pornô!
Sem preconceitos! Sem moralismos!
Não tenho nada contra artista pornô, mas é preciso ficar atento para que nosso rico dinheirinho não comece a ser distribuído em forma de bolsa-chanchada!

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *