Groundhog Day

Tenho pensado muito em outro filme que assisti – uma comédia. Cada um de nós tem um tipo de humor e, muitas vezes, um filme engraçado para você não o será para outro e o comediante que outros adoram pode nos irritar, nos deixar indiferentes e até nos fazer rir.

Há também aqueles filmes que precisamos de um tempo para “digerir”. Tiradas inteligentes e, eventualmente, meio herméticas, ou assim nos pareceram no momento. Essa foi a razão de não termos rido e de alguém, ao nosso lado, ter rido “às bandeiras despregadas”, como se dizia muito antigamente… no século retrasado, porque eu, mesmo sendo do século passado, nunca usei essa expressão!..

Enfim, chega de suspense! O filme em questão é desses para os quais acordamos tempos depois: Groundhog Day ou, como se chamou por aqui, “O Dia da Marmota”.

Num pequeno resumo, sem ser estraga-prazeres ou sem spoiler – como está na moda hoje – um meteorologista, muito metido a besta e cheio de verdades, é escalado para ir a uma cidadezinha nos Estados Unidos particularmente gelada e que é mencionada no mapa por conta da saída de uma marmota de sua toca – garantia segura do final do inverno!

Ele começa seu trabalho desqualificando a cidade e essa crença tradicional e segue por esse caminho por todo o dia. Qual não é sua surpresa ao descobrir que esse dia iria se repetir e repetir para ele dezenas de vezes até que…

Nesses dias de isolamento em que, por vezes, não nos damos mais conta do sentido dos dias, ou seja, a sexta-feira deixa de ter seu sabor tão especial: “Oba, amanhã posso dormir até mais tarde e então vou combinar um happy hour com a turma…”

Sábado, nos anos 60, no século passado, era dia de namorar, ir jantar fora – dependendo das possibilidades do momento – ir eventualmente a uma discoteca da moda para muito barulho, bebida e gente dançando, ou, ainda melhor, dar um “amasso” num drive-in…

Com os dias para nós se repetindo, todos aparentemente iguais (hoje, o programa é ficar no celular ou na Internet) e me veio a dúvida: “que dia é hoje, mesmo?” E lembrei desse filme visto há tanto tempo – é de 1993. O sabor será outro e não apenas de rir: ver esse que sempre foi um sonho humano: poder voltar atrás no tempo!

Já imaginou? Poder mudar um fora, uma expressão indevida, uma grosseria gratuita, ter ligado para alguém, ter sido gentil…

Hoje, por outras razões, estamos com a sensação de acordar sempre no mesmo dia – será?…

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *