Cálculo renal…tchrammm.!!


Você já teve?
Foi a dor mais “animal ” dolorida e insuportável que eu já tive. A dor era tanta que chamei um táxi e uma amiga querida e fui enjoada para o hospital munida com os saquinhos apropriados até o PS.
O motorista, um senhor educado e das antiga,s foi super-atencioso comigo. Era do tempo em que os táxis socorriam pessoas atropeladas nas ruas.
Chegamos e fui atendida na hora pela minha cor sem cor. Na cadeira de rodas e com o bendito saquinho de enjoo nas mãos. Isso dá um atendimento mais rápido porque o meu estado era punk…

Após 3 injeções de morfina ao longo da tarde no PS, além de Plasil e nada de melhorar, fui internada e no dia seguinte fui direto ao centro cirúrgico.
Não sabia qual a equipe iria fazer o procedimento mas a dor era tanta que tanto faz. O Hospital 9 de Julho é meu hospital favorito. As equipe seria ótima. E foi.
Conseguiram tirar o cálculo por um cateter. Sem corte sem dor. Ah… Que alívio e que sorte ter dado certo porque o médico dr Daher Chade é um craque bem como sua equipe médica. Indico esse profissional super-competente. Humano e atencioso. Tive sorte de ter caído nesta equipe me cuidando. Hoje já tive alta.
Aqui agora está tão bom que parece um Spa. Ala novíssima e muito eficiente. O maior barato foi ficar na sala de recuperação e observando os pacientes que chegavam das cirurgias. Lá todos éramos iguais. Entra e sai maca na maior organização. Claro que eu puxei uns papinhos lights com pacientes ao lado e com a equipe médica e enfermagem. Foi divertido.
Ao meu lado havia uma senhora que fez plástica nos olhos e era a “prima donna” do local. Veio acompanhada por quatro médicos e a enfermagem sempre atenta.
Não resisti e chamei uma enfermeira e perguntei confidencialmente quem era aquela ilustre paciente rodeada de médicos. Soube que dois filhos eram médicos e vieram acompanhar a mami.

Toda vez que algum enfermeiro falava com ela…”A Sra está bem. Precisa de alguma coisa?”

Ela respondia… Ah.. minhas costas e minhas pernas doem muito!!!

A cirurgia não doía. Estava com tampões e gelo. Só dor no corpo.

Pensei que talvez tivesse passado um pouco da idade de cirurgias estéticas. Mas não… O nome dela era d. Maria das Dores! Tá explicado!
Ainda bem que meu nome é Priscila. Ou Pri para os mais íntimos.

sentindo-se agradecida em Hospital 9 de Julho.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *