Viagem Provence-Bourgogne

Viagem de um grupo de16 amigas para comemorar uma data especial!
O tour escolhido foi viajar de navio subindo o rio Rhône desde Arles, na região da Provence, até Châlon sur Saône, na Bourgogne. Não foi uma escolha qualquer; o ambiente de um navio permite maiores chances de as amigas se reunirem e colocarem os assuntos em dia.
Primeiro dia
Em Marseille éramos apenas três, a quarta encontramos no hotel e, assim por diante, até as duas últimas que encontramos no navio Rive Royale. Fizemos o tour de trem pela Vieille Marseille e para Nôtre Dame de la Garde, num dia ensolarado e de céu muito azul. Jantamos no restaurante Miramar, 12, Quai Du Port (Vieux Port)- uma bouillabaisse maravilhosa, que é o prato típico da região!

Foto1Fortaleza If – Marseille

Segundo dia
Alugamos os carros, e lá fomos nós, de Marseille para para Aix en Provence, uma farra!!. Ficamos no Hotel Aquabella. Passeamos por: Vieille Aix na Rue Gaston de Saporta; visitamos a Cathédrale St- Sauveur, que é muito bonita, na Place des Martyrs-de-la-Résistance; fomos ao incrível Musée des Tapisseries, na Place de l’Hotel de Ville; Tour de l’Horloge, Rue du Marechal Foch, Place Richelme, onde tem uma feirinha imperdível; Place d’Albertas, ver uma fonte muito bonita no centro; Rue Espariat, Place St Honoré – onde tem outra fonte no centro; a Cours Mirabeau, avenida mais famosa arborizada com plátanos, linda com muitas fontes; Hôtels Particuliers com balcões esculpidos, restaurantes, Café Des Deux Garçons. Não perca a oportunidade de visitar o Atelier de Cézanne e o Musée Granet onde tem Cézannes lindíssimos!
Em Aix, nosso grupo já contava com 8 amigas.

Foto2Aix en Provence – Cours Mirabeau

Almoçamos numa crêperie na Place des Augustins. No fim da tarde chegaram mais duas amigas e o grupo já tinha 10 mulheres!!!
Jantamos no Bistrot Romain, na Cours Mirabeau, chegamos lá caminhando. O restaurante é bonito, tradicional, sem excessos: Foie gras e risoto, champagne e vinho para acompanhar. E que doces!!!
Segundo dia
Deixamos Aix en Provence bem cedo, em três carros rumo à cidade medieval de Les Baux de Provence. Nosso intuito era no caminho, chegarmos a tempo para o único tour do dia, na histórica Abbaye de Sénanque. A abadia é de monges beneditinos cistercienses, e a visita pelo seu interior foi muito interessante. Salões enormes, pé-direito muito alto, dava para imaginar o frio que não passavam durante os invernos. Infelizmente, o jardim da abadia, área toda de plantação de lavanda, ainda não estava florido.

Foto3Abbaye de Sénanque

Ainda no caminho para Baux paramos no Musée de La Lavande (em Coustellet, Maubec) onde assistimos o processamento da lavanda, desde a colheita até o óleo essencial. Depois a jovem francesinha que nos servia de guia, nos levou até a loja do pequeno museu, onde pudemos nos fartar de produtos a base de lavanda: cremes, óleo, colônia, sachés, etc…
Não menos interessante, muito pelo contrário, foi voltar a visitar Gordes, outra cidade encarapitada no alto de um grande rochedo, pela qual me já me apaixonara na primeira visita em outubro do ano passado. Fomos andar sem rumo, que delícia, como férias fazem bem!!! E nos perdermos nas poucas lojinhas tão cheias de produtos locais, que enfeitiçaram a todas nós. Depois de mais compras, como diz Yeda, “que ninguém é de ferro”, aí sim fomos para Baux.

Foto4Baux
Foto4aRuínas Baux

Em Baux de Provence, ficamos no Hotel Benvegudo Bastide.Visitamos o Castelo, localizado no coração da Provence, ocupando a famosa vila de Baux de Provence. É uma antiga fortaleza medieval no alto de uma montanha rochosa. Aliás, o nome do vilarejo é uma alusão ao material rochoso da montanha: o minério bauxita. A vista que se tem do castelo sobre o planalto é maravilhosa: vinhas e olivais que se estendem até o mar e que fascinaram e serviram de inspiração para pintores como Cézanne e Van Gogh.
Nosso almoço foi ao ar livre, no pátio de um restaurante simpático, abrigadas do sol forte pelas árvores do local.
Depois de uma tarde de sol, antiguidades e belezas naturais em Baux rumamos para a pequena St Rémy de Provence, ainda na foz do rio Rhône. Visitamos uma Foire des Vignerons, onde os vinicultores locais levam seu produto para vender numa feira de rua e também servem comidinhas para acompanhar os vinhos, que delícia!!

Foto5Feirinha St. Rémy

Em seguida passamos pela Maîrie, na casa onde dizem ter nascido Nostradamus, em 14 de dezembro de 1503, e conhecemos a Église St. Martin. Depois de muitas igrejas visitadas na Europa, essa foi a primeira delas em que não há ainda sinal de restauração.
Depois de mais umas comprinhas de artesanato local, paramos para jantar no restaurante do hotel Auberge de La Reine Jeanne. O hotel dá para um pátio interno, cheio de mesas. Foi uma delícia, pois chegamos ainda com a luz da tarde e quando saímos para voltarmos ao hotel já era noite fechada. Comemos muito bem e conversamos bastante. Foie gras, champagne e doces deliciosos!!!!
Terceiro Dia
Deixamos Baux de Provence depois do café. As dez amigas em três carros partiram cedo rumo a uma visita nostálgica ao Moulin de Daudet (Alphonse Daudet, escritor), uma vez que tínhamos em comum o fato de termos lido esse livro em nosso tempo de colégio.

Foto6Moulin Alphonse Daudet

Tendo concretizado o livro lido nos tempos de escola, com a visita ao Moinho, que ainda estava em nosso imaginário, rumamos para Arles, onde deveríamos entregar os carros alugados até às 12 horas. Foi tudo muito fácil, pois o pequeno porto fluvial é ao lado da Gare e do pátio das locadoras.
Nessa altura já estávamos as 16 todas reunidas:  A sensação era “ sexy sixties!!!!! Foi bom demais!!
Walking tour em Arles: Arènes, Théatre Antique, Place de la République (Hôtel de Ville, Église St Trophime ), Place du Forum (estátua do Mistral), Espace Van Gogh. Almoçamos na Place du Fórum.
Fizemos o check-in no navio boutique RIVER ROYAL, para um cruzeiro de tirar o fôlego! É um  navio pequeno para somente 130 passageiros, muito simpático e com inúmeras facilidades tipo: bicicletas que você pode pedir para passear quando o navio para em alguma cidadezinha, sala de fitness, sauna, jacuzzi, massagem, boutique e uma simpática biblioteca. Roupa de cama 800 fios bordada com monograma, produtos l’Occitanne. Todas as cabines têm vista para o rio ou para as margens.

Foto7Navio River Royal

Oferecem, além das três refeições com vinho incluído, early breakfast, café expresso com docinhos, chá da tarde com sanduíches e doces. A comida é gourmet e muito, mas muito boa, com uma boa carta de vinhos.
Em 2009 ganhou o prêmio de Best Smalll Ships da Condé Nast!
Está incluído um tour diário com guia e no final do dia, uma palestra com explicações dos passeios do dia seguinte, e depois do jantar música ao vivo para dançar!! Realmente, não precisamos de mais nada!
Além desse tour que fizemos pelo rio Rhône com o River Royale existe o tour Grande France, de Paris até Arles, por 15 dias.
Éramos 102 passageiros. Antes do jantar, no bar, tivemos o drink de boas vindas do comandante quando apresentaram toda a tripulação que era francesa e as pessoas que trabalhavam a bordo (a maioria do leste europeu) e deram as explicações necessárias para que a viagem fosse um sucesso!
Jantamos no navio e muita dança!!
Quarto dia
Chegamos em Avignon e fizemos um walking tour por Avignon: Hôtel de Ville, Rocher des Doms (jardim e belvedere), Église St. Pierre, Sinagoga, Les Halles, visita ao Palácio dos Papas na Place du Palais. Ir a Avignon e não visitar a Pont d’Avignon seria impensável. Lá fomos todas para mais um momento divertido: Pont St Bénézet – “Sur le Pont d’Avignon, on y danse, on y danse”….

Foto8Avignon

O almoço foi na Place de l’Horloge. A noite do Wellcome dinner do Capitão e, muita dança!!
Quinto dia
Paramos em Viviers, minúscula cidade medieval murada, entre as montanhas e o rio Rhône, onde fizemos um walking tour, com o famoso vento Mistral, praticamente nos carregando!!!!!! Assistimos a um rápido, mas incrível concerto de órgão na menor catedral da França: Cathédrale St. Vincent, no alto de Viviers. Vale muito a pena o passeio, Viviers é realmente linda: tem 130 habitantes mas como tem uma catedral, sede do Arcebispado da região, tem status de cidade.

Foto9Viviers – Torre Catedral
Foto9aTelhados de Viviers

Jantamos no navio e ouvimos uma pianista de jazz ótima!
Sexto dia
Chegamos à Tain l’Hermitage e Tournon, duas cidades irmãs também a beira do Rhône, cercadas pelos vinhedos. Para quem gosta de vinho e chocolate, esse é o lugar! Walking tour por Tournon e degustação de vinhos em Tain l’Hermitage.

Foto10Château Tournon

À tarde, aula de cozinha com o chef do River Royale: crêpes suzettes!!
Depois do jantar, fizemos um passeio noturno a pé por Tain l’Hermitage, travessia da ponte de madeira Marc Seguin e caminhada em Tournon. Na volta jogo de quiz.
Sétimo dia
Chegamos em Lyon e fizemos um tour de ônibus: Notre Dame de Forvière, Trompe l’oeil na parede de um edifício antigo e um tour a pé: Vieux Lyon, Cathédrale St Jean, Les Traboules (incríveis passagens internas dentro dos edifícios para ligar as ruas),

Foto11Traboule na Vieux Lyon

Place Belle Cour, onde almoçamos no restaurante Prêt à Porter de Paul Bocuse, Brasserie Le Sud. Continuamos nosso tour pelas ruas da parte velha da cidade: Rue Victor Hugo (pedestre, comercial), visitamos o Musée Historique des Tissus e o Musée des Arts Décoratifs, o Théâtre des Célestins e a Place des Jacobins.

Foto12Jantar de despedida do River Royal

Jantar de despedida do capitão com muita dança.
Oitavo dia
Em Chalon sur Saône já na Bourgogne, pegamos um ônibus e fomos até Beaune fazer o tour do dia, muito interessante, vimos: Les Hospices de Beaune, Hôtel-Dieu, Place de La Halle (mercado) e Place Carnot (feirinha), rue Carnot, Beffroy (torre), Collégiale Notre Dame (igreja), Hôtel de Ville, tudo acompanhado, como todos os dias, pela guia do navio.

Foto13Telhados de Beaune
Foto13aBeaune

Voltamos de trem para Châlon sur Saône: caminhada pela praça do Hôtel de Ville e Église St Pierre.
À noite, bolo e parabéns para as 16 “sexy sixties” ao final do jantar e depois uma bela caminhada noturna por Châlon sur Saône, antes do farewell danse!!

Nono dia
Check out do River Royale!!
Pegamos o transfer de manhã em Châlon sur Saône e fomos para a Gare de Lyon; uma criação maravilhosa de Santiago Calatrava. Não se esqueça de admirar a bela estação!

Foto14Gare de Lyon por S. Calatrava

Happy end de uma viagem de sonhos!!

Uma pensamento do famoso escritor de Lyon, St. Exupéry para terminar:
“Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos”.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *