Rio, a série

Rio de Janeiro na bancarrota (Foto: Arquivo Google)

Os Três Poderes do Rio estão podres, unidos contra a população que os elegeu e os sustenta com seu trabalho e seus impostos
Se a ascensão e queda do Rio fosse uma série de TV, seria de terror. Não recomendada para menores de 16 anos por cenas explícitas de chantagem, extorsão, boquinhas, mamatas, estupro moral, assassinatos físicos e culturais, canalhices, fraudes e vilezas, linguagem chula, mortes em corredores de hospitais, crianças sem escola; protagonizada por governadores, prefeitos, deputados e vereadores que corromperam o Judiciário e as forças de segurança pública e tornaram o Rio uma terra sem lei, sem ordem e sem progresso.
Talvez em outros estados não seja muito diferente. Alagoas, Maranhão, Mato Grosso… Mas o Rio, além de uma série de TV, merece estudo como um case de corrupção sistêmica em que a população e juízes e policiais honestos e corajosos são derrotados por uma Orcrim que se espalha pelo Executivo, Legislativo e Judiciário como um câncer. Os Três Poderes estão podres, unidos contra a população que os elegeu e os sustenta com seu trabalho e seus impostos.
Em todos os estados, começam a crescer os empregos com carteira assinada, menos no Rio de Janeiro, que desempregou mais de quatro mil pessoas no mês passado. A economia nacional se recupera lentamente, menos no Rio, onde o governo e a prefeitura disputam quem é o pior.
E o Rio foi o estado que mais recebeu dinheiro de royalties de petróleo durante 20 anos, sem qualquer trabalho, apenas porque os poços estavam em nosso mar poluído. E queimou boa parte dessas fortunas colossais para enriquecer bandidos que merecem apodrecer na cadeia, porque, com sua ganância, incompetência e falta de vergonha, não roubaram ou mataram uma pessoa, mas milhares de contribuintes inocentes.
Olhem a cara desses caras, Picciani, Garotinho, Paulo Melo, Albertassi; você entregaria a chave do seu carro para algum deles estacionar? Não há botox ou implante que resolva; podem vestir um terno Armani sob medida que estarão sempre mal-ajambrados, os policiais da Federal estão sempre mais elegantes. Os caras tem o physique du rôle do vilão, que no caso pode ser traduzido por físico de criador de rolos.
Mas o Rio de Janeiro continua lindo. E lutando.
Fonte: Blog do Noblat

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *