Suécia sem lockdown. Tudo aberto!

Informem-se!!! Para os que se deixam manipular pela mídia que, para ludibriar os incautos só publica “especialistas” que se encaixam na ”tese” chinesa e que acreditam que o ministro da Saúde, o Mandetta do DEM, é o guru onipotente, leia este artigo (traduzido) e observem o que a Suécia resolveu fazer.

Deixem de ser CRÉDULOS!!! A mídia global, como viu que as mentiras não estavam mais enganando ninguém, tirou do seu arsenal a arma mais perigosa: a MENTIRA. E está conseguindo seu objetivo de destruir a economia mundial e trazer fome e miséria para o Ocidente. Estamos em guerra por dominação econômica, não se iludam. #BolsonaroTemRazao

Coronavírus: por que o experimento sueco pode provar que a Grã-Bretanha está errada?

A decisão da Suécia de permanecer aberta aos negócios contrasta diretamente com a estratégia britânica de bloquear o país

Por Sarah Knapton, Editora Científica EDITOR CIENTÍFICO
3 de abril de 2020 • 20:36

“Na Suécia, está sendo realizado um experimento interessante, que em breve poderá revelar que a Grã-Bretanha está muito distante quando se trata de modelar o número de pacientes com coronavírus que acabarão em terapia intensiva.

O país contraria a tendência de bloqueio quase global, optando por permitir que escolas, empresas e instalações esportivas permaneçam abertas e confiando no bom senso de seus cidadãos para controlar o vírus através do distanciamento social e da manutenção de uma boa higiene.

Mas o país escolheu esse caminho em grande parte porque sua previsão de como o serviço de saúde irá lidar é muito diferente da trajetória que os especialistas britânicos têm previsto.

O grande aumento de leitos de terapia intensiva no Reino Unido nas últimas semanas foi impulsionado pelo Imperial College, que sugeriu que até 30% das pessoas hospitalizadas por coronavírus precisarão de tratamento intensivo.

Em meio a temores de que o NHS não fosse capaz de dar conta da demanda, a Grã-Bretanha foi confinada para dar tempo ao serviço de saúde para atingir sua capacidade.

Por outro lado, os suecos acreditam que os pacientes que necessitam de tratamento intensivo estarão em algum lugar perto de cinco por cento dos hospitalizados e, portanto, foram cautelosos ao aumentar sua capacidade na UTI.

Ao contrário da Grã-Bretanha, a Suécia é muito mais transparente sobre a liberação de dados, portanto, informações sobre se ela fez o cálculo correto estarão disponíveis em breve.

Até o momento, na Grã-Bretanha, cerca de nove por cento dos pacientes com diagnóstico positivo de coronavírus no hospital morreram, sugerindo que pelo menos essa proporção de pacientes necessitava de tratamento intensivo.

Muitos outros terão se recuperado depois de estar na UTI, de modo que o número pode se tornar mais alto do que a Suécia está prevendo, colocando-a em uma posição despreparada.

A Suécia começou recentemente a construir um hospital de campanha militar perto de Estocolmo com 600 camas extras, mas terá apenas 10 camas de terapia intensiva, um indicador de que o governo não está esperando uma onda de pacientes muito doentes.

O país acredita que verá a maior necessidade de leitos de terapia intensiva no final de maio, estimando que 500 a 1.000 pacientes precisarão de terapia intensiva.

Apesar de ter o menor número de leitos hospitalares por mil na Europa, está confiante de que serão suficientes.

O epidemiologista do governo sueco que está apostando sua reputação na estratégia é Anders Tegnell, que tem criticado o modelo que colocou a Grã-Bretanha no caminho do confinamento.

“Pode estar certo, mas também pode estar terrivelmente errado”, disse ele. “Na Suécia, estamos um pouco surpresos com essa decisão”.

O ex-epidemiologista estadual, Prof Emérito Johan Giesecke, concorda com o Sr. Tegnell, afirmando recentemente em um artigo para o jornal diário Svenska Dagbladet:

“A falta de conhecimento confiável explica por que os países escolhem fazer as coisas de maneira diferente: ninguém sabe o que realmente funciona, e eles escolhem medidas com base em dados instáveis ​​ou por razões políticas”.

“Todos os modelos exigem que você insira valores numéricos para diferentes parâmetros – valores que geralmente perdemos e devemos estimar ou adivinhar.”

Fundamentalmente, o Sr. Tegnell está divulgando todos os dados diariamente, para que em breve fique claro o desempenho da Suécia em comparação com outros lugares e forneça uma indicação clara de se a modelagem imperial é refletida nos dados do mundo real.

Acredita-se que a Suécia esteja duas semanas atrás da Grã-Bretanha, tendo registrado cerca de 6.000 casos e 333 mortes – 10 vezes menos que o Reino Unido -, mas especialistas não esperam um grande pico ou muito mais demanda do que o habitual.

Embora o país não tenha dito explicitamente que está tentando aumentar a imunidade do rebanho, ele quer reduzir o vírus a um ritmo administrável.

Tegnell disse que é inevitável que a doença varra uma grande proporção da população, e permitir isso poderia impedir um aumento na demanda, o que poderia prejudicar seus serviços de saúde.

A estratégia não está isenta de críticas e cerca de 2.000 cientistas e pesquisadores assinaram uma carta aberta criticando a Agência de Saúde Pública da Suécia.

Sten Linnarsson, professor de Biologia Molecular Sistêmica no mundialmente conhecido Instituto Karolinska, classificou o plano como “embaraçoso”, enquanto outros o chamaram de uma manobra cínica para alcançar a imunidade do rebanho ao custo de milhares de vidas.

Mas as autoridades de saúde pública têm mais um truque na manga para atenuar os temores sobre o vírus. O país também está prestes a começar a divulgar números que mostram quantas pessoas morreram “de” coronavírus em vez de morreram “com” coronavírus, como mostram as estatísticas britânicas.

O professor Neil Ferguson, do Imperial College, disse ao Comitê Científico de Tecnologia e Saúde do governo do Reino Unido que até dois terços das mortes de pessoas com coronavírus provavelmente teriam ocorrido este ano de qualquer maneira.

Portanto, será interessante descobrir quantas realmente podem ser atribuídas ao vírus, um número que é improvável que a Grã-Bretanha descubra antes que os números anuais de mortalidade sejam divulgados no início do próximo ano.

Os suecos acreditam que mudar a forma como os números são relatados reduzirá o número de pessoas que morrem por coronavírus em até 4/5 e reduzirá a taxa de mortalidade para bem abaixo de 1%, talvez até menor que a gripe sazonal.

A transparência dos dados que saem da Suécia também está dando uma indicação melhor de como o vírus está se saindo em uma população europeia, em vez de depender de modelos e estimativas provenientes da China.

Até agora, parece que os homens são responsáveis ​​pela grande maioria dos casos de terapia intensiva, com mulheres representando apenas 24% dos infectados.

Da mesma forma, entre aqueles que precisam de tratamento intensivo, cerca de 76% apresentavam problemas de saúde, sendo a pressão alta o maior fator de risco.

Na Grã-Bretanha, poderia acabar sendo ainda maior. Apenas 6% das pessoas que morreram na sexta-feira, 3 de abril, não apresentaram problemas de saúde.

Aconteça o que acontecer, dentro de semanas, ficará claro se as apostas da Suécia foram um triunfo do senso comum ou um erro catastrófico e mortal.

E os resultados do experimento serão sentidos em todo o mundo. Se as autoridades de saúde pública conseguirem achatar a curva, será muito mais difícil para o Reino Unido continuar impondo um bloqueio que está devastando a economia.

Da mesma forma, se as mortes aumentarem, isso dará aos governos a munição necessária para manter as restrições por mais tempo, talvez até que uma vacina ou tratamento esteja disponível.”

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *