Prêmio Nobel: Louise Glück

Hoje estava lendo a respeito de Louise Glück, laureada este ano de 2020 com o Prêmio Nobel de Literatura. Traduzi trechos do verbete sobre ela publicado no site “Poetry Foundation” (basta procurar no Google e acessar para ler o texto completo). Ao final postei duas poesias dela em inglês e duas traduzidas por Camila Assad.
Foto: Google – TRT
Louise Glück nasceu na cidade de Nova York em 1943 e cresceu em Long Island. Frequentou Sarah Lawrence College e Columbia University.

Considerada por muitos como um dos poetas contemporâneos mais talentosos da América, Glück é conhecida por sua precisão técnica de poesia, sensibilidade e percepção da solidão, relações familiares, divórcio e morte.

Segundo o poeta poeta, Glück recebeu o Prêmio Nobel de Literatura “por sua inconfundível voz poética que com austera beleza torna universal a existência individual”.
Glück é a autora de 12 livros de poesia, incluindo as recentes coleções “Faithful and Virtuous Night” (2014), vencedor do National Book Award, e Poems 1962-2012 (2012), que ganhou o Los Angeles Times Book Prize, bem como a coleção de ensaios “American Originality“ (2017).
Os primeiros livros de Glück apresentam personas lutando com as consequências de casos de amor fracassados, encontros familiares desastrosos e desespero existencial, e seu trabalho posterior continua a explorar a agonia do eu.
… Poemas de Glück em livros como “Firstborn”, “The House on Marshland”, “The Garden” (1976), “Descending Figure” (1980), “The Triumph of Achilles” (1985), “Ararat” (1990) e o vencedor do Prêmio Pulitzer “The Wild Iris“ (1992) leva os leitores a uma jornada interior, explorando seus sentimentos mais íntimos e profundos.
… Em uma resenha de “The Triumph of Achilles“, Wendy Lesser observou no Washington Post Book World que a linguagem de Glück é totalmente direta, notavelmente próxima da dicção da fala comum. No entanto, sua seleção cuidadosa para ritmo e repetição, e a especificidade de até mesmo suas frases ideologicamente vagas, dão a seus poemas um peso que está longe de ser coloquial.
Como Glück escreve de maneira tão eficaz sobre decepção, rejeição, perda e isolamento, os revisores costumam se referir à sua poesia como “sombria” ou “sombria”.
Don Bogen do The Nation sentiu que as “preocupações básicas” de Glück eram “traição, mortalidade, amor e o sentimento de perda que o acompanha … Ela é, no fundo, a poetisa de um mundo decaído.”
Stephen Burt, revisando sua coleção Averno (2006), observou que “poucos poetas, exceto [Sylvia] Plath, pareciam tão alienados, tão deprimidos, com tanta frequência, e tornavam essa alienação esteticamente interessante”.
Leitores e críticos também se maravilharam com o dom de Glück para criar poesia com uma qualidade onírica que, ao mesmo tempo, lida com a realidade de assuntos apaixonantes e emocionais.
Holly Prado declarou em um artigo da Los Angeles Times Book Review sobre The Triumph of Achilles (1985) que a poesia de Glück funciona “porque ela tem uma voz inconfundível que ressoa e traz para o nosso mundo contemporâneo a velha noção de que a poesia e o visionário estão interligados”.
A coleção vencedora do prêmio Pulitzer de Glück, “The Wild Iris“, (1992), demonstra claramente sua poética visionária. O livro, escrito em três segmentos, é ambientado em um jardim e imagina três vozes: flores falando ao poeta-jardineiro, o poeta-jardineiro e uma figura de deus onisciente.
Na Nova República, Helen Vendler descreveu como “a linguagem de Glück reviveu as possibilidades de alta asserção, asserção a partir do tripé Delfos. As palavras das afirmações, entretanto, eram freqüentemente humildes, claras, usuais; era seu tom hierárquico e sobrenatural que os distinguia. Não era uma voz de profecia social, mas de profecia espiritual – um tom que poucas mulheres tiveram a coragem de reivindicar.
“ Meadowlands“ (1996), o primeiro novo trabalho de Glück após “The Wild Iris“, recebe seu ímpeto da mitologia grega e romana. O livro usa as vozes de Odisseu e Penélope para criar “uma espécie de experimento retórico agudíssimo em estudos de casamento”, de acordo com Deborah Garrison no New York Times Book Review…
“Vita Nova” (1999) deu a Glück o prestigioso Prêmio Bollingen da Universidade de Yale. … Embora o tema ostensivo da coleção seja o exame das consequências de um casamento desfeito, “Vita Nova“ está repleta de símbolos extraídos de sonhos pessoais e arquétipos mitológicos clássicos.
… O tema de “The Seven Ages“ (2001), abrange toda a vida da autora, desde suas primeiras memórias até a contemplação da morte.
“Averno“ (2006) tem o mito de Perséfone como sua pedra de toque. Os poemas do livro giram em torno dos laços entre mães e filhas, os próprios medos do poeta em relação ao envelhecimento e uma narrativa sobre uma Perséfone dos dias modernos.
No New York Times, Nicholas Christopher observou o interesse único de Glück em “explorar as fontes do mito, coletivo e pessoal, para alimentar a imaginação [dela] e, com clareza conquistada a duras penas e música sutil, lutar com alguns dos nossos mais antigos, a maioria medos intratáveis ​​- isolamento e esquecimento, a dissolução do amor, a falha da memória, o colapso do corpo e a destruição do espírito”.
Além dos prêmios Pulitzer e Bollingen, ela recebeu muitos prêmios e homenagens por seu trabalho, incluindo o Lannan Literary Award for Poetry, um Sara Teasdale Memorial Prize, a MIT Anniversary Medal, o Wallace Stevens Award, uma National Humanities Medal e uma Medalha de Ouro por Poesia da Academia Americana de Artes e Letras. Ela recebeu bolsas das Fundações Guggenheim e Rockefeller e do National Endowment for the Arts. … Glück é atualmente escritora residente na Universidade de Yale e mora em Cambridge, Massachusetts.
A íris selvagem
—Louise Glück
No final do meu sofrimento 
havia uma saída.
Me ouça bem: aquilo que você chama de morte 
eu me recordo.
Mais acima, ruídos, ramos de um pinheiro se movendo.

Então, nada.
O sol fraco 
cintilando sobre a superfície seca.
É terrível sobreviver 
como consciência,
enterrada na terra escura.
Então tudo acabou: aquilo que você teme,
se tornando 
uma alma e incapaz 
de falar,
encerrando abruptamente,
a terra dura se inclinando um pouco.
E o que pensei serem

pássaros lançando-se em arbustos baixos.
Você que não se lembra 
da passagem de outro mundo 
eu te digo poderia repetir: aquilo que
retorna do esquecimento retorna
para encontrar uma voz:
do centro de minha vida veio
uma vasta fonte, azul profundo 
sombras na água do mar azul.
Confissão
—Louise Glück
“Dizer eu não sinto medo –
Não seria honesto.

Sinto medo da doença, da humilhação.

Como todo mundo, tenho os meus sonhos.
Mas aprendi a escondê-los,
Para me proteger
Da realização: toda felicidade
Atrai a fúria das Sinas.
Elas são irmãs, selvagens – 
No final, não há
Emoção, mas inveja
The Red Poppy
—Louise Glück (Louise Glück
The great thing
is not having
a mind. Feelings:
oh, I have those; they
govern me. I have
a lord in heaven
called the sun, and open
for him, showing him
the fire of my own heart, fire
like his presence.
What could such glory be
if not a heart? Oh my brothers and sisters,
were you like me once, long ago,
before you were human? Did you
permit yourselves
to open once, who would never
open again? Because in truth
I am speaking now
the way you do. I speak
because I am shattered.
Aboriginal Land
—Louise Glück
You’re stepping on your father, my mother said,
and indeed I was standing exactly in the center
of a bed of grass, mown so neatly it could have been
my father’s grave, although there was no stone saying so.
You’re stepping on your father, she repeated,
louder this time, which began to be strange to me,
since she was dead herself; even the doctor had admitted it.
I moved slightly to the side, to where
my father ended and my mother began.
The cemetery was silent. Wind blew through the trees;
I could hear, very faintly, sounds of weeping several rows away,
and beyond that, a dog wailing.
At length these sounds abated. It crossed my mind
I had no memory of being driven here,
to what now seemed a cemetery, though it could have been
a cemetery in my mind only; perhaps it was a park, or if not a park,
a garden or bower, perfumed, I now realized, with the scent of roses —
douceur de vivre filling the air, the sweetness of living,
as the saying goes. At some point,
it occurred to me I was alone.
Where had the others gone,
my cousins and sister, Caitlin and Abigail?
By now the light was fading. Where was the car
waiting to take us home?
I then began seeking for some alternative. I felt
an impatience growing in me, approaching, I would say, anxiety.
Finally, in the distance, I made out a small train,
stopped, it seemed, behind some foliage, the conductor
lingering against a doorframe, smoking a cigarette.
Do not forget me, I cried, running now
over many plots, many mothers and fathers —
Do not forget me, I cried, when at last I reached him.
Madam, he said, pointing to the tracks,
surely you realize this is the end, the tracks do not go further.
His words were harsh, and yet his eyes were kind;
this encouraged me to press my case harder.
But they go back, I said, and I remarked
their sturdiness, as though they had many such returns ahead of them.
You know, he said, our work is difficult: we confront
much sorrow and disappointment.
He gazed at me with increasing frankness.
I was like you once, he added, in love with turbulence.
Now I spoke as to an old friend:
What of you, I said, since he was free to leave,
have you no wish to go home,
to see the city again?
This is my home, he said.
The city — the city is where I disappear.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *