12 de agosto de 2022
Lucia Sweet

Moro, Dirceu e o governo

Foto: Arquivo Google – ISTOÉ Independente

Eu não subestimo o governo. O Ministro da Justiça e Segurança Nacional Sergio Moro conseguiu, em plena era lulopetista, contra tudo e todos, prender e condenar Lula, o maior criminoso do Brasil — pois corrupção mata.
Melhor do que ninguém, ele sabe quem é quem na organização criminosa, pois teve acesso a todos os autos, com denúncias e provas contra figuras com foro privilegiado. Mesmo que não pudesse divulgar, pois foi obrigado por lei a mandar para o Supremo, ele sabe. E lá no STF, também sabem.
Sergio Moro sabe quem, na PF e no Ministério Público, fez de tudo para atrapalhar as investigações, e a mando de quem. Só que agora ele comanda a PF e nomeou gente honesta que luta por um Brasil melhor e sem corrupção endêmica.
Por isso eu não me preocupo com os ruídos dissonantes de uma imprensa corrupta que está completamente desmoralizada. Não adianta dizer que um protesto de “Lula livre”, CUT, MST, MTST, PT, PSOL, PTB, PCdoB, PSTU, sindicatos et caterva não foi um protesto de esquerda, mas sim de estudantes. Como se a Educação do Brasil não fosse hoje uma das piores do mundo. Como se não estivesse em andamento uma Lava Jato da Educação. Como se as fraudes nas universidades e programas de ensino não envolvessem BILHÕES.
Por isso não me preocupo. Nem o Zé Dirceu conseguiu escapar da prisão, mesmo tendo sido o chefe querido do atual presidente do STF, nomeado não por seu saber jurídico, mas por ter sido advogado do PT, entre outros motivos não acadêmicos. Afinal todos sabem que ele não conseguiu nem ser aprovado em concurso para juiz e levou bomba duas vezes.
E eu, cada vez menos, leio a imprensa mainstream. Para não me aborrecer pelas fake news e campanhas contra um governo que está secando a corrupção. Isso dói no bolso de dezenas de milhares de corruptos.
Aprendi cedo que os cães ladram, mas a caravana passa.

author
Jornalista, fotógrafa e tradutora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.