Onde foi parar a ‘crise hídrica’?

Ia faltar água. Ia faltar luz. Ia faltar comida, mas o que aconteceu: choveu, como sempre

E a “crise hídrica”, lembram-se dela? Onde é que foi parar a crise hídrica que o governo não conseguia resolver e que, até muito pouco tempo atrás, ameaçava a sobrevivência física do Brasil? Ia faltar água. Ia faltar luz. Ia faltar comida. A indústria, o comércio e os serviços iriam parar. Os computadores iriam entrar em colapso por falta de energia elétrica. Sem os computadores o resto da atividade humana teria forçosamente de cair morto. Era, outra vez, o “Bug do Milênio” – piorado, agora, pela sede, a falta de banho e outras desgraças.

Mas a “crise hídrica”, no corrente momento, está com baixo índice de popularidade no noticiário; parece ter saído do “index” da calamidade nacional permanente que a mídia cultiva com devoção religiosa em suas primeiras páginas e em seus horários nobres. O que aconteceu para a mudança? Choveu. Foi isso: choveu e a falta de água nos reservatórios deixou de ser um problema, como sempre acontece quando chove, desde a Arca de Noé.

O público brasileiro, já há muito tempo, não recebe um conjunto de informações coerentes por parte dos veículos de comunicação. Em lugar disso, dia após dia, hora após hora, recebe um pacote de neuroses. A inflação disparou. (Só no Brasil; no resto do mundo não há inflação.) O desemprego está muito alto. (Só no Brasil; no resto do mundo não há desemprego.) A economia está parada. (Só no Brasil: no resto do mundo a economia está bombando, à toda.) O resultado disso é muito simples. Os jornalistas, dando testemunho da catástrofe, ficam felizes por terem cumprido o que estimam ser o seu “dever político”. O público fica sem saber o que está acontecendo.

‘Crise hídrica’ ameaçava a sobrevivência física do Brasil: o que aconteceu para a mudança? Choveu. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters – 29/8/2018

O Brasil está sendo deformado, cada vez mais, pela transformação do debate público num pátio dos milagres em que não há mais o esforço de se raciocinar, nem a observação dos fatos, e nem a presença de vida inteligente. Só existe, como realidade, a ideia fixa de construir miséria – material, moral e política. Se não é desastre, no Brasil de hoje, não existe.

O nível de água nos reservatórios não depende da vontade dos comunicadores, nem dos desejos dos especialistas climáticos ouvidos por eles – ambos na busca perene do fim do mundo que vai, enfim, eliminar a direita” da sociedade brasileira. Depende, isto sim, do regime de chuvas, que não é controlado pelas redações, nem por sistemas de ideias. Mas essa, segundo nos asseguram os encarregados de pensar por todos, é uma observação claramente negacionista, terraplanista e genocida. Estão negando a “crise hídrica”? Querem que milhões morram por falta d’água? Não estão vendo a catástrofe da “mudança climática” no “planeta”? É aonde chegamos, em matéria de raciocínio.

Fonte: Estadão

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *