Será que os automóveis autônomos farão mesmo o caminho que você quer?

volvo-self-driving-car

A tecnologia dos carros autônomos, veículos que dispensam a ação de um motorista para circularem em ruas e estradas, é a bola da vez no mundo automotivo. Várias montadoras têm projetos já bem desenvolvidos nesse sentido, assim como corporações tecnológicas, como o Google. Já existem, efetivamente, modelos capazes de circular autonomamente em determinados lugares – a Volvo (no alto), por exemplo, planeja colocar no mercado carros que “se dirigirem sozinhos” em algumas cidades e estradas suecas, devidamente preparadas para isso, já em 2017. Alguns outros detalhes importantes, porém, ainda não parecem ter sido resolvidos. Um deles é como fazer com que os motoristas dos carros particulares mantenham a necessária atenção ao que “o carro faz” e ao caminho para, em caso de necessidade, assumirem o comando e evitarem um acidente. Isso porque, mesmo em vias perfeitamente pavimentadas, mapeadas e sinalizadas, há um grau de imponderabilidade, de coisas totalmente imprevistas ou de falhas ainda não coberto pelos sistemas de inteligência artificial.

googleDestaquei os carros particulares porque, deduzo eu, nos táxis ou equivalentes robotizados, essa questão não faz sentido. Pegar um deles, pagando a corrida, e ter de bancar o co-piloto me soa inviável e absurdo.

uber-car-cheap
Os táxis, aliás, são talvez o principal – e certamente o mais atraente – mercado para os carros autônomos. Não por acaso, a Uber está montando um centro de pesquisas totalmente dedicado ao desenvolvimento dos veículos auto-conduzidos, além de ter pré-encomendado carros desse tipo que a Tesla pretende comercializar a partir de 2020. E sua principal rival nos EUA, a Lyft, recebeu da General Motors, há poucos meses, um investimento de 500 milhões de dólares com o mesmo objetivo.

2-xchange-concept-car-rinspeed-presents-the-future-of-self-driving-carsEpa! – o leitor mais antenado pode ter compreensivelmente exclamado após ler o parágrafo acima. Mas o Uber não é aquela empresa que se apresenta como uma ótima oportunidade para motoristas terem bom trabalho e remuneração? O que farão esses motoristas quando a frota passar a ser de modelos que dispensam sua função? Pelo visto, essa “fase humana” no Plano de Negócios da corporação é apenas transitória, um degrau em direção ao melhor retorno financeiro para seus acionistas.

nissan_self_driving_car
Por enquanto, o que há de concreto em termos operacionais reais são sistemas que permitem com que os motoristas descansem em vias expressas e estradas principais, nas quais não existam cruzamentos e que estejam perfeitamente sinalizadas. A já mencionada americana Tesla, ponta de lança em carros elétricos de luxo, já desenvolveu um piloto automático que, segundo li, já se sai muito bem nesses caminhos – mas nem tanto dentro de cidades ou em estradas secundárias. A Mercedes já fez testes bem sucedidos com protótipos do gênero, assim como concorrentes. E a Nissan, outra que é pioneira em modelos elétricos com seu best-seller Leaf (ao lado), divulgou agora em janeiro que planeja lançar 10 novos modelos com direção automatizada até 2020.

masterford-mwc2014_023-1393346621566Ou seja, em breve, dormir no volante pode deixar de ser um risco de vida para se tornar um hábito, até, saudável. Isso, claro, para quem não gosta de dirigir (deu para vislumbrar daí a minha expressão aborrecida?).
1361802388808736432
 
Por outro lado, pensando um pouco dentro da lógica “Google”, que usa os dados do que você vê e busca na internet para lhe oferecer produtos e serviços em praticamente todas as janelas de navegação que você abre na tela, não duvido que um táxi ou mesmo carro comprado autônomo, acabemos sendo literalmente conduzidos por caminhos e até a destinos patrocinadores da empresa.
Ou seja, você embarcará no automóvel auto-dirigido e ele, ao reconhecer o seu perfil, escolherá um trajeto que passa por lojas, shoppings etc. que, de alguma forma, o lembrem ou estimulem a consumir produtos ou serviços que ele “sabe” fazerem parte de seus hábitos.

É também provável que, assim como a opção “navegação privativa” do browser de seu aparelho (tablet, PC ou smartphone), você tenha de acionar algum comando que desative essa intromissão, quem sabe, optando por pagar um pouco mais caro pela corrida em troca disso. Que tal?

birmtjrkebidqqfyrwrr

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *