7 de julho de 2022
Claudio Tonelli Colunistas

Des Moro nando

Nota-se que o projeto “MORO” vem de longa data. A famosa “República de Curitiba” foi construída para dar o suporte de marketing e projeção de nomes.

Rosângela Moro, que não é nada besta, já tratou de criar sua tietagem nas redes, enquanto Moro se aproximava mais do lado político, do que o jurídico que seu cargo exigia.

Palestras para cá, encontros para lá. Enfim, Moro assume um ministério de forte relevância que o projetaria para as missões futuras no STF.

Estava tudo desenhado: colocar Deltan e Rosângela na política, enquanto Fachin e Moro coordenavam um outro lado na casa dos “deuses”.

Seria a nova política coordenada por Álvaro Dias, Oriovisto Guimarães e Flávio Arns?

Todos senadores paranaenses, todos do PODEMOS, todos ligados direta, ou indiretamente a Sérgio Moro e Rosângela Moro.

Amigos antigos que agora tentam formar um novo clã, ou poderíamos dizer uma nova máfia política.

A Lava Jato realmente mostrou para que veio: proteger uns e linchar outros politicamente.

No fim não dará nada certo.

Nem é preciso fazer muito esforço para que as ligações daqui pra lá, de lá pra cá apareçam igual balas de metralhadora numa guerra.

O avião não decola por excesso de carga e combustível adulterado.

Administrador e Consultor de Empresas, ativista político e estudioso de fraude eleitoral.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.