4 de julho de 2022
Carlos Eduardo Leão Colunistas

🎵 Caneta azul, azul caneta 🎵

Ao assinar o “Decreto do Perdão”, a BIC azul do PR jå é disputada por Museus, mundo afora.

Foto: alvesflavio via iStock. Todos os direitos reservados.

O ano era 1945. A cidade era Clichy, ao norte de Paris. Os amigos e sócios eram Marcel Bich e Edouard Bouffard. Esses caras inventaram a caneta BIC, um clássico do design e da arte moderna, exposta nos maiores Museus do mundo e uma das poucas unanimidades da Terra.

Com faturamento anual em torno de 2bi, lucro estimado de 260mi e valor de mercado em módicos 7bi, tudo em euros, a caneta azul da BIC – a lenda – é responsável por frases antológicas de marketing como “Fazemos pequenas coisas que fazem grandes mudanças”.

E aí, quando Manoel Gomes, grande poeta do cancioneiro popular brasileiro, compôs “Caneta Azul”, sua obra-prima, as vendas da BIC só não foram ainda maiores quando comparadas com o anúncio feito pelo PR de que ela, a BIC, era as sua caneta oficial.

Se quiser ouvir, clique no vídeo a seguir:

🎵 Caneta azul, azul caneta, se mal usada você leva um povo à sarjeta. Caneta azul, azul caneta, se bem usada você compõe uma bela opereta. Caneta azul, azul caneta todo cuidado é pouco para que não tenha a letalidade de uma baioneta. Caneta azul, azul caneta, você foi precisa na demissão de Mandetta. Caneta azul, azul caneta, por favor, retorne a paz ao Planeta.🎵

Feita a devida introdução, teço loas à BIC de Bolsonaro que deixou o Brasil em estado de graça. Com ela, o PR assinou aquele decreto de perdão, um documento épico, original, histórico, transcendental em defesa da maior virtude de um povo: a liberdade.

A pátria sem liberdade não fala, não reivindica, não tem direitos, não tem dignidade.

Engana-se quem pensa que o PR defendeu um aliado. Ele defendeu o respeito às normas, às regras e os
conceitos que regem um povo para o convívio pleno e civilizado. Não fosse aliado, agiria da mesma forma pela sua sempre coerente intransigência pelo jogo jogado nas quatro linhas da Constituição.

Nada justifica a retórica tosca de Daniel. Porém, com muito boa vontade, cabe uma pergunta que poderia explicar o desatino: O que leva um homem de bem aos extremos da insanidade verbal?

Alguém proibir um policial de subir aos morros do tráfico em defesa dos semelhantes, atenta contra o seu juramento, viola a sua vocação e limita seus atos em prol da segurança, da ordem e da vida.

Proibir um médico de exercer sua ciência em prol da sobrevivência humana, um advogado de defender a liberdade de seu constituinte, um engenheiro de calcular corretamente a viga que sustenta vidas, certamente despertariam em cada um deles os mais primitivos dos instintos. Somos humanos, temos defeitos e limites de tolerância.

Mas foi por causa de uma palavrinha de nossa “última flor do Lácio”, dessas que ocupam o baixo clero do idioma, que a caneta azul de Bolsonaro saiu do bolso para a história. “Qualquer” é um pronome comum, mas sui generis. É a única palavra da língua portuguesa cujo plural tem um “s” no meio. E no artigo 53 da CF ela aparece altiva: “Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos.

Não há outra interpretação. Não há outra argumentação. Não há mais paciência. Não há mais saco pra tanto desmando, desrespeito e traição à Carta Magna.

O PR foi “terrivelmente” provocado. Foi a gota d’água para exercer, com a coragem dos grandes líderes, todo o seu poder que emana indiscutivelmente do manual de instruções do Brasil.

Parabéns, PR! O povo, está feliz, dando graças à sua graça que o consolida como um dos grandes personagens da história.

Cirurgião Plástico em BH e Cronista do Blog do Leão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.