8 de agosto de 2022
Adriano de Aquino Colunistas

“Adiós latinoamérica”

O tango da separação

Penso em J L Borges,em J Cortázar, Astor Piazzolla, que despertaram o olhar do mundo para a Argentina, por sua gente e sua cultura.

Esses expoentes da arte e da literatura, a nível global, contrastam com o sonho provinciano do presidente Alberto Fernández de desenhar uma geopolítica exótica para levar toda sociedade e a nação a se separarem dos ‘sonhos’ do socialismo latino-americano e ir morar ao lado de nações do primeiro mundo.

De pronto o desejo de Fernández parece diferente do de Maduro.

SQN!

Como Maduro, frustrado no seu desejo de estender o modelo bolivarianista  por toda AL, sonha que a Venezuela faz fronteiras com Cuba, China e Rússia, Alberto Fernández, ao invés de fazer as malas e partir com a família e fixar residência na Suécia, Finlândia ou Noruega,decidiu seduzir toda sociedade argentina a rebocar o país para as fronteiras das nações do primeiro mundo, que ele imagina espelhar para o povo argentino o sucesso do socialismo e da igualdade social, sem os percalços da história,da realidade da AL e da Argentina em particular.

Vai acabar em tango!
Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.