Convivendo com uma gripe e Rita


A única vantagem de ter ficado gripada foi ter visto programas na televisão. Bom, pra começar, descobri que eu fui a musa inspiradora do Nelson Rodrigues quando escreveu “Os sete gatinhos”. Pois é, eles estavam todos nos meus pulmões, uma chiadeira só, todos miando ao mesmo tempo. Acabei matando todo mundo de tanto que tossi, rsrsrs.
Cadê a barriguinha que tava aqui? Os sete gatinhos comeram. Se tivesse feito mil abdominais, a musculatura não teria doído tanto. Ainda está dolorida.
Bom, vi o documentário “Street Food” da Netflix muito interessante sobre países, cuja cultura local é rica em barracas, quiosques que servem comidas nas calçadas. Licia, no episódio sobre Singapura, eu fiquei com a impressão de ter visto você em uma foto. Yasmin e Vivi, se vocês puderem, vejam. Se não for a Lili, então é sósia dela.
“É preferível ser cabeça de galinha do que rabo de touro”, filosofou o barraqueiro Toyo do Japão no mesmo programa. Vou passar a usar essa frase.
Finalizando, comecei a ver a série dinamarquesa Rita que é simplesmente maravilhosa. Foi indicação da “Xará Perola”. Estou amando a vida dessa professora totalmente descompensada, rs.
Uma grata surpresa para mim que sempre achei os nórdicos meio frios e lá tem gente como a gente com dramalhões, descontroles e trapalhadas latinas. Só me entristeceu tomar conhecimento de que, quando um professor se aposenta, ele ganha uma medalha da rainha. Não a recebe em mãos, obviamente, mas é uma homenagem pelo serviço prestado. Já aqui…, deixa pra lá.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *