Riesling, a incompreendida.

Duas castas brancas, Chardonnay e Sauvignon Blanc dominam as ofertas de rótulos sul-americanos em nosso mercado. Por esta razão, acreditamos que uma delas é a grande dama, gerando saborosas discussões, com defensores de uma ou de outra.

A verdadeira grande uva branca, a germânica Riesling, acaba passando despercebida, por este e por outros fatores.

Começamos por seu nome, quase sempre pronunciado de forma errada. A forma correta, mais próxima da usada na Alemanha seria:

Rii + sling

Neste link, uma amostra deste som:

https://howdoyousaythatword.com/word/riesling/

Depois de acertado este detalhe, entra em cena o complicado sistema alemão de classificação de vinhos, que nos mostra que os vinhos desta casta podem ser classificados como secos, doces e até muito doces, isto sem falar em espumantes.

Mesmo para um enófilo experiente, este sistema, embora muito abrangente e rígido em suas normas, é bastante complexo. Tudo gira em torno da quantidade de açúcar, ou doçura, no vinho.

A primeira classificação são os vinhos de mesa, ou Tafelwein. Em seguida surgem os Qualitätswein, ou vinhos de qualidade, geralmente associados a uma região. A terceira classificação são os vinhos com predicados, ou Prädikatswein, sem dúvida, os melhores e mais caros.

Nesta última, há subdivisões a serem consideradas. Todas levam em conta o grau de maturação na hora da colheita, gerando desde bebidas mais secas até as muito doces:

Kabinett – corresponde a um vinho reserva. Em termos de sabor, podem ser comparados a um demi sec, embora possa aparecer no rótulo a palavra “trocken”, que significa seco;

Spätlese – ou late harvest ou colheita tardia. A colheita busca cachos que possam já estar afetados pela Podridão Nobre (Botrytis Cinérea). Pode ser considerado como um vinho para sobremesa.

Auslese – equivalente a um Spätlese, reserva. Obrigatoriamente as uvas devem ter sido atacadas pela Botrytis;

Beerenauslese – para esta classificação, são cuidadosamente selecionadas os melhores cachos de uvas, todas atacados pela podridão nobre;

Trockenbeerenauslese – a mais alta classificação. As uvas devem estar quase dessecadas, depois de atacadas pela podridão nobre. Caríssimo e vendido em garrafas de 375 ml.

Qualquer um já teria jogado a toalha, depois de tantas classificações e opções. Mas estaria deixando de apreciar um vinho com qualidades excepcionais: acidez perfeita, teor alcoólico adequado, capacidade de guarda (não passam por madeira!), boa mineralidade e uma paleta de aromas e sabores inconfundíveis.

Uma das características mais conhecidas, os famosos aromas de petróleo, são indicativos de um vinho em bom estado de maturação. Este curioso aroma dissipa-se rapidamente.

Os Rieslings verdadeiros são os de origem alemã (Reno e Mosela), da Alsácia e os austríacos. Esta casta foi plantada em diversos países gerando vinhos com estilos muito diferentes dos originais.

Um detalhe curioso, mas importante, diz respeito ao formato da garrafa (alongado) e sua coloração:

A cor esverdeada indica vinhos da região do rio Mosel, enquanto as de cor castanha indicam a região do rio Reno.

Existem algumas outras uvas que adotaram o nome Riesling em sua composição. Tenham, em mente, que não são as verdadeiras. Eis algumas delas:

Riesling Itálico;

Cape Riesling;

Welschriesling;

Se tiver a oportunidade de provar esta delícia, não deixe passar em branco.

Saúde e bons vinhos!

Vinho da semana: Rieslings são caros e difíceis de encontrar em nosso país. Pensem num investimento, vale a pena.

Hochheimer Guts Riesling QbA trocken 2015 – $$$



Mereceu 91 pontos da revista Wine Enthusiast.

Fresco e repleto de notas florais e de frutas brancas, é uma ótima pedida para acompanhar comidas de inspiração asiática.

 

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *