Participamos do Novo Chile Wine Week

Este foi um excelente evento, organizado pela Da Girafa, uma nova player no mercado de vinhos para o Brasil. Especializada em vinhos chilenos de pequena produção e alta qualidade, trouxe para este evento novas vinícolas além de uma das mais conceituadas produtoras chilenas, a Viña Laura Hartwig.

Várias surpresas nos aguardavam nesta degustação voltada para os profissionais do mercado, jornalistas, sommeliers, críticos e formadores de opinião. Desde a simpática resposta ao pedido de inscrição, passando pela boa localização do evento e eficiente recepção, onde fomos presenteados com uma taça ISO, caderno de anotações, caneta e uma rolha, personalizada, que poderia ser trocada por um petisco na cantina instalada no salão.

Vinhos surpreendentes e curiosos foi o que experimentamos neste dia. Acesso fácil às mesas e conversa tranquila e instrutiva com os expositores.

Sete vinícolas estavam presentes, organizadas em três flights que realçavam suas características: Terroirs Extremos, Castas Patrimoniais e Clássicos Reinterpretados.

– Villa Lobos “Es vida silvestre”

Este produtor utiliza vinhas que estão soltas no meio do mato. Não é um vinhedo plantado de forma a obter a melhor insolação e facilitar a colheita. Pelo contrário, a obtenção das uvas para vinificação exige alguns sacrifícios.

Destaque para o Carignan Silvestre, que apresenta uma bela combinação de aromas e sabores, muito fora da curva, fugindo completamente do habitual. Completavam esta prova mais dois vinhos: um corte de País e Cinsault, o Zorrito Salvage e um Carménère, o Lobo.

– Trapi

A Trapi é um vinícola de um só vinho, por enquanto. Situada nos limites da Patagônia Austral, chilena, onde quase já não é mais possível cultivar nada.
Este Pinot Noir surpreende pela cor e delicadeza de aromas e sabores. Muito especial.

– La Recova

Esta última vinícola, do flight extremo, está na região mais fria do Vale de Casablanca, com vinhedos de alta densidade em íngremes encostas. Apresentou dois vinhos, o Sauvignon Blanc Avid, e um diferente rosé desta mesma casta, o Obstinado (foto) resultante de uma técnica chamada Ripasso sobre as cascas de uma vinificação de Syrah. Muito interessante do ponto de vista enogastronômico.

– Bo wines

A vinícola resgata uma das castas mais antigas do Chile, antes de Cabernet e Carménère se tornarem símbolos da produção de vinhos daquele país. Estamos falando da uva Carignan.

Uma ótima oportunidade para provar vinhos muito bem elaborados. O top Carae, 100% Carignan, foi um dos melhores deste evento. Destaques para o Malcriado, um belo corte com 25% de Cabernet e para o Filo Malbec.

– OWM Wines

Vinícola de pequeníssima produção, trouxe dois vinhos apenas. Ambos de excelente qualidade:

OWM Hand Made – um corte artesanal das seguintes castas: Carménère, Cabernet Sauvignon, Syrah, Petit Sirah, Tempranillo e Petit Verdot. Apenas 6.600 garrafas produzidas;

Pillo de Panama – um blend de Cabernet Sauvignon e Syrah que é amadurecido em tanques de concreto. Nada de madeiras por aqui. Surpreendente, outro top nesta degustação.

– Alchemy

Eleita a melhor vinícola de pequenas produções do Chile, trouxe O Grand Cuvée, equilibrado corte de Cabernet Sauvignon, Carménère, Syrah e Malbec, e o Parróne, um belo Syrah.

– Laura Hartwig

Uma das vinícolas chilenas mais premiadas internacionalmente, considerada por muitos críticos e jornalistas especializados, como um Premier Cru Classé.

Ofereceu o maior flight deste evento e todos eram deliciosos. O destaque ficou, obviamente, para o Edicion de Familia, elaborado com 30% Cabernet Sauvignon, 34% Petit Verdot, 34% Malbec e 2 % Cabernet Franc, amadurecido por 20 meses em carvalho francês. Espetacular!

Saúde e bons vinhos.

Para adquirir, visitem o site do Da Girafa.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *