Garrafas de papelão!

Esta é uma novidade muito interessante. A Frugalpack, uma empresa inglesa de embalagens, lançou esta garrafa feita com papelão reciclado, que recebe um acabamento plástico interno, próprio para acondicionar alimentos ou bebidas.

De certa forma, é uma evolução dos vinhos em caixa, nem sempre muito aceito por consumidores mais exigentes. O formato de garrafa, com a mesma capacidade de 750ml, pode ter mais sucesso.

Seu custo equivale ao das garrafas de vidro, mas por serem muito mais leves e permitirem que sejam produzidas no local (on site), as tornam muito vantajosas se olharmos o custo global da operação.

Pesam, apenas, 83g, o que significa uma grande redução nos custos de transporte. Para sua reciclagem, é dividida em duas partes: papelão e plástico. Ambos têm um custo baixo de processamento se comparado ao vidro. Para cumprir as novas metas de “carbon footprint”, está solução é um achado. Reduz as emissões em 84%.

Atacadistas de bebidas estão muito interessados, este mesmo tipo de garrafa pode ser usado para destilados também. A logística de estocagem é mais simples demandando menos mão de obra. A redução de peso implica em áreas de estocagem mais simples e baratas.

Mercados e lojas especializadas vão pelo mesmo caminho e já estão negociando com produtores para que adotem, em determinadas linhas de produtos, este novo padrão de embalagem.

O 1º cliente foi uma vinícola italiana da Úmbria, a Cantina Goccia, que adotou a garrafa para o seu vinho 3Q 2017, um corte de Sangiovese, Merlot e Cabernet Sauvignon.

Outra vantagem indireta está nas possibilidades de rotulagem. A garrafa inteira pode ser decorada com uma imagem em 360º.

Haja criatividade!

O foco da Frugalpac é que as vinícolas adquiram o equipamento e produzam as garrafas na mesma época do engarrafamento, simplificando a operação e diminuindo estoques de materiais pesados e volumosos.

As garrafas podem ser refrigeradas, sem problemas, servindo tanto para vinhos tintos como para brancos ou rosados.

O último elo da cadeia é a aceitação pelo consumidor. Por enquanto poucos países estão experimentando a novidade.

Quem sabe um dia chega ao Brasil?

Saúde e bons vinhos!

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *