Encontro de Vinhateiros no Cru Wine Bar


Mais um bom evento no Cru Wine Bar, o que deixa os Cariocas amantes do bom vinho muito felizes.
Este encontro reuniu a nata dos nossos produtores artesanais, os nossos “Garagistes”. São produções muito pequenas, quase todos com uma única filosofia – vinhos naturais, orgânicos e biodinâmicos. Aproveitar o que a natureza oferece é o mote por trás deste ótimo grupo.
Oito vinhateiros e um “estranho no ninho” que produz cervejas, sidras e um Campari se desdobraram para explicar como produzem seus néctares, que estavam à venda, rara oportunidade em face de limitadas quantidades disponíveis.
Participantes:
Vanessa Kohlbraush Medin (vanessakmedin@gmail.com);
Lizete Vicari(lizetevicari@gmail.com);
Flavio Luiz Penzo (54 99608-0095);
Casa Ágora – Helio Marchioro (vinhoscasaagora@gmail.com);
Faccin Vinhos – Bruno (faccinvinhos@yahoo.com) – https://www.faccinvinhos.com/;
COOPEG Produtos Orgânicos (www.coopeg.com.br);
Vinha Unna – Marina Santos (ninaenologa@gmail.com);
Cantina Mincarone – Caio (cantina.mincarone@gmail.com);
Gregory Chastang (goingwildproject@gmail.com) – Sidra, cervejas com frutas da Floresta, etc… (foto a seguir)

Para deixar o sábado com cara de perfeição, o ingresso incluía um almoço com opções de pratos harmonizados com os vinhos servidos. Era escolher o que mais lhe agradava, aguardar ser chamado, encher a taça e partir para o abraço.
Melhor impossível!
Impossível, também, será comentar 100%  dos vinhos provados. Todos estavam muito bons. Obviamente alguns nos interessaram mais que outros, entre espumantes, brancos e tintos. Muitos deles recém-terminados e apenas engarrafados para o evento, outra oportunidade única de provar vinhos muito novos.
Estes vinhateiros mostraram um grande esmero na apresentação de seus produtos: nomes originais (ampliem as fotos), rótulos atraentes e bem desenhados.

Começamos com os espumantes.
O maior lote era o da COOPEG, produzidos em Garibaldi, terra dos espumantes. Todos corretos e interessantes.
Além destes dois outros chamaram a nossa atenção, ambos elaborados pelos Método Ancestral, resultando em deliciosos “Pet-Nat” (pétillant-naturel) – Faccin e Mincarone. Notamos que ambos tinham o mesmo registro de aromas e sabores. Descobrimos que os produtores estão na mesma região e os vinhedos são praticamente os mesmos. Apenas uma cerca divide as uvas de cada um. Qualquer deles é compra segura.
Seguimos com os brancos e rosados.

Várias e deliciosas opções, com as tradicionais castas Chardonnay e Sauvignon Blanc. O nosso destaque vai para os vinhos de Marina Santos, Lunações e Terroir Ancestral (Vinha Unna) e de Vanessa K. Medin, Guardião da Intuição e Voo Livre.
Um detalhe interessante e inerente a estes vinhos (naturais) é que são macerados com as cascas e não filtrados. A aparência tende a uma cor mais alaranjada e turva.
Dois produtores trabalham com uvas não viníferas, Luiz Penzo e Casa Ágora. Um destes vinhos é o Laranjal:

Elaborado com a casta Niágara Rosada, é extremamente frutado e com um final de boca interminável. Interessante, mas como foi provado no meio da degustação, nos deu muito trabalho para limpar o paladar e poder prosseguir sem ter este vinho na memória.
A utilização das uvas híbridas, americanas ou não viníferas tem se tornado uma tendência no mundo inteiro.
Os tintos.
Cabernet Franc, Tannat, Merlot, Pinot Noir, Motepulciano e Gamay são as castas utilizadas por este grupo, seja em cortes ou varietais. Luiz Penzo trabalha, também, com uvas híbridas e barricas de madeiras brasileiras, como a Umburana, muito comum na elaboração da nossa cachaça.
Os resultados são todos bons, com alguns inevitáveis destaques:
– O corte de Pinoy e Gamay, Transmutação, de Vanessa K. Medin;
– O Cabernet Franc, As Bancantes em Êxtase, de Marina Santos (Vinha Unna)
– O Pinot Noir e o Merlot da Dominio Vicari (Lizete Vicari), os melhores vinhos deste evento para o meu paladar.

Algumas amostras ainda estavam muito jovens para uma correta apreciação, mas já deixaram uma ótima impressão. O uso de madeira ficou dividido, alguns a usam outros preferem se manter distantes deste caminho.
Pequenas joias que valem o investimento. O preço médio, nesta degustação, rondava os 100 reais.
Todos os produtores fazem venda direta. O Cru Wine Bar mantém alguns em estoque, seja para consumo ou venda.
Saúde e bons vinhos!
Vinho da Semana: o nosso parceiro, Rômulo, da Vina Brasilis, está com uma boa oferta para este Barbera DOC em caixa fechada com 6 unidades.
COLLI PIACENTINI BARBERA DOC – $ (*)
Apresenta cor vermelho rubi, intenso. Amplo olfato, frutado, com cerejas e frutas do bosque. Paladar característico, elegante e harmonioso com corpo cheio.
Harmonização: Excelente com salame, macarrão e pratos à base de carne.
Compre aqui:
– Vina Brasilis – Rômulo – romulo@vinabrasilis.com.br – (21) 96756-6123 / (21) 99515-1071 https://www.facebook.com/pg/VinaBrasilis/shop/?rid=133172546824172&rt=6
(*) preço para caixa fechada com 6 unidades, Rio de Janeiro.
 

 
 
 
 

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *