Desfrutando os vinhos comprados on-line

“Negócio” –  foto criada por Freepik

Comprar nossos vinhos on-line está deixando de ser novidade e começa a se encaixar nas nossas rotinas. Já selecionamos os nossos fornecedores, seja por preço e condições de venda ou, mais importante, pelos rótulos que oferecem.

Uma tendência que está sendo muito bem aceita é a compra nos Kits ou Combos: trios, quartetos e até sextetos. Um grupo de diferentes vinhos com bons preços para tornar o nosso resguardo (lembram?) mais agradável.

Como os leitores procedem ao receber seus pacotes?

Já pensaram nisto?

Aqui vai uma boa dica: higienizem as garrafas recebidas!

Um pano com álcool 70º ou com outra solução desinfetante, à base de cloro ou água sanitária é mais do que suficiente. Cuidado com os rótulos para não os danificar.

Outra tendência que está em voga é degustar estes vinhos numa “live”, usando o jargão do momento. Isto também requer uma preparação.

O ponto de partida é muito simples: já que não podemos desfrutar da companhia física de nossos amigos, garrafas de vinhos são agregadoras, a solução mais perto disto é criar uma videoconferência onde um ou mais vinhos serão degustados e analisados.

Dois estilos são possíveis.

Um, mais informal, onde cada um abre seu vinho e comenta sua escolha, em meio a outros assuntos.

Outra forma, que achamos mais interessante, é escolher um moderador que vai fazer uma apresentação, comentada, de um ou mais vinhos. Poderia ser, por exemplo, as últimas descobertas ou aquisições.

Não precisa degustar todos. Apresente os vinhos e escolha um para ser provado.

Os demais participantes podem abrir a mesma garrafa, se combinado com antecedência, ou fazer comparações com outros rótulos que tenham em casa. Será sempre divertido e instrutivo.

Já pensaram em organizar uma reunião tipo Master Class?

A apresentação poderia ser dividida com mais de um participante. Mas devem fazer um “dever de casa”, antes da reunião.

Os vinhos poderiam ser comprados em regime de grupo, reduzindo os custos. Todos teriam acesso às mesmas garrafas. Um pouco de logística será necessário para distribui-las.

Vamos imaginar uma aula com a casta Malbec. São ótimos vinhos, fáceis de comprar no nosso mercado. A maior oferta é de argentinos. Mas podemos encontrar alguns chilenos e franceses. Há uma pequena produção brasileira.

Inicialmente faríamos uma comparação entre Malbec sem e com madeira. Devem ter a mesma safra, origem e região.

O primeiro tende a ser mais frutado e menos encorpado que o segundo.

A segunda dupla poderia contemplar dois vinhos argentinos de diferentes terroir. Importante nesta degustação é encontrar dois vinhos com processos de vinificação bem semelhantes:

– Ambos passam por madeira ou não;

– mesmo tipo de tanque de fermentação – inox, concreto, madeira;

– Mesma safra;

– Mesmo tipo de garrafa e de fechamento.

Uma boa aula seria comparar dois Malbec mendocinos, um de Lujan e outro do Vale do Uco. Outra opção seria comparar vinhos de Mendoza com seus pares de Salta ou Patagônia.

Uma variante possível seria comparar diferentes tipos de fermentação. Mas vai exigir uma busca mais técnica por estes vinhos. Esta informação só consta das “fichas técnicas”.

A última rodada poderia contemplar as diferenças entre o Malbec francês da região de Cahors com sua cópia sul-americana.

Novamente, valem as recomendações acima.

Talvez seja a mais interessante e instrutiva das aulinhas. Quem já teve a oportunidade de provar um “original” pode avaliar como são muito diferentes os vinhos produzidos na Argentina.

Divirtam-se.

Saúde e bons vinhos!

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *