Corona – Vinhos

Photo by Artemis Faul on Unsplash

Vinho é uma bebida gregária. Nada é mais divertido do que passar algum tempo, com os amigos, em torno de uma garrafa de vinho.

Infelizmente, em tempos de pandemia e quarentena, voluntária ou não, temos que abrir mão destes encontros de degustação, sejam eles em casa ou em algum wine bar ou restaurante preferidos.

“No más!” como diriam na Espanha…

A grande dúvida é se precisamos abrir mão do nosso vinho de cada dia e como apreciá-lo em voo solo.

Há várias considerações para serem feitas e estratégias que podem ser adotadas, tudo dependendo da decisão de consumir ou não uma bebida alcoólica, vinhos inclusive.

Nas sociedades modernas admite-se que um indivíduo que consome álcool, sozinho, pode estar num estado depressivo ou mesmo ser considerado um alcoólico.

Estamos em tempos de guerra e novas regras devem ser adotadas. Degustar, moderadamente, uma taça de vinho nas refeições ou numa hipotética “happy hour” doméstica, não só é uma atitude desejável, hoje, como pode ser vista como um estímulo para continuar no “home office”. Para os que não trabalham, pode ser mais uma atividade ocupacional, bem divertida.

Qual vinho abrir é ponto que merece algumas reflexões.

Provavelmente não temos meias garrafas em nossa adega, o que seria perfeito. Logicamente, ao abrirmos uma garrafa de 750 ml, mesmo em companhia da esposa, ao ritmo de 1 taça/dia, há uma grande chance que o vinho fique passado antes ser todo consumido.

Lembrem-se que vinhos bons não estragam facilmente, mesmo depois de desarrolhados. Basta seguir algumas estratégias bem conhecidas, como as citadas nesta nossa matéria “Garrafas de vinho abertas: o que fazer?”.

Outra boa solução seriam os vinhos em caixa. Duram bastante se guardados na geladeira.

O que não vai funcionar são os vinhos de baixa qualidade, que por suas características de produção não resistem a mais do que um par de horas depois de abertos.

Está na hora de lembrar daqueles vinhos que foram guardados para ocasiões especiais. Esta é, certamente, uma delas.

E se o leitor está no grupo de risco, encontrou mais um motivo… (pense nisto)

Para os que preferem não consumir álcool e sim usá-lo para desinfetar as mãos, afinal é um imunossupressor, existem alternativas para não ficar longe da nossa bebida favorita.

Como num contraponto, o resveratrol, um dos polifenóis encontrado nos vinhos tintos, é considerado como um aliado no combate a diversos vírus, inclusive os do tipo Corona (não confirmado para o tipo 19, ainda). Neste caso, substitua por suco de uva.

Para não ficar longe do tema vinho e ainda ajudar a passar o tempo e se divertir, que tal uma relação de filmes de temática enológica?

Procure nos serviços de streaming como Netflix ou Amazon: (não testamos todos)

– Um ano em Borgonha (A Year in Burgundy)

– Um ano em Champagne (A Year In Champagne)

– Barolo Boys: storia di una rivoluzione

– O Julgamento de Paris (Bottle Shock)

– Sideways: Entre Umas e Outras

– A série Somm, sobre o Master Sommelier Exam. São 3 filmes

– Sour Grapes, excelente documentário sobre fraudes no vinho

– Mondovino

– Um bom ano (A Good Year)

– O ano do cometa (Year Of The Comet)

– O segredo de Santa Vitória

Para que nossas adegas não fiquem desprovidas, no Rio de Janeiro, por exemplo, alguns wine bars e lojas de vinhos estão disponibilizando seus serviços com entrega domiciliar ou tipo “drive thru”: vinhos e petiscos podem ser encomendados. Procure na sua cidade por serviços similares.

De Portugal vem uma novidade bem interessante: uma degustação comentada via Instagram. Uma relação do que vai ser provado é divulgada antecipadamente. A ideia é comprar estes vinhos para poder acompanhar, em tempo real, e desfrutar de todos os comentários dos experts.

O 1º episódio reuniu Dirk Niepoort, com o consultor Cláudio Martins e o sommelier Rodolfo Tristão.

Procure por @winehourathome

(https://www.instagram.com/winehourathome/)

Quem sabe não repetem isto por aqui?

Recomendações finais:

Mantenha uma boa higiene de tudo: taças, decantadores, acessórios e as superfícies utilizadas;

Não compartilhe sua taça ou talheres;

Lave, sempre, as mãos.

Saúde, bons vinhos e boa quarentena!

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *