Sempre teremos Paris

paris
Mulheres cafonas exibindo o salto (e as solas vermelhas) dos sapatos para provar a procedência do produto, anéis de R$ 800 mil, helicópteros levando cachorro para Mangaratiba e um sem-fim de sinais exteriores de roubo, estelionato e outros crimes sem qualquer constrangimento, pudor ou temeridade.
Apenas exibiam, esfregavam na cara de todos os cariocas que, de onde estavam, poderiam fazer qualquer coisa, nada os deteria. Foram absoluta e completamente tomados por um transtorno mental que subtraiu qualquer filtro moral, social e até espiritual.
Finalmente, Sergio Cabral é preso e sua mulher levada em condução coercitiva. Nem por um instante, durante a trajetória meliante, pensaram no efeito devastador das atitudes na vida dos filhos e como eles conviveriam no meio social se caso algo desse errado. E deu.
Certamente, nesta manhã do dia 17 de novembro as crianças ficaram com babás, empregado doméstico ou algum parente que correu para acolher aquelas pobres almas que não tiveram tempo de escolher.
Será que o casal mantém na sede fluminense da PF aquele ar arrogante? A revista Caras destacou repórter especial para analisar o look escolhido para o grande dia? Qual a marca da mala que Cabral empunhava? Não, Adriana não teria coragem de calçar o Louboutin para ter sua conversa com o delegado, será?
O Rio de Janeiro amanheceu tão limpo, que nem o cheiro de urina das escadarias do Cristo Redentor faz sombra aos novos ares, ainda que o estado esteja quebrado, dilacerado e falido.
Hoje deveria ser feriado no Rio de Janeiro. Os morros deveriam ser iluminados com fogos, formando um imenso show pirotécnico, bem maior do que Copacabana oferece aos turistas no réveillon. As escolas de samba deveriam tirar suas mulatas do conforto e colocá-las pra sambar na avenida Niemeyer, parar o trânsito sem hora para acabar. E os blocos? Os blocos devem começar o esquenta às 15h nos Arcos da Lapa e sair às 20h, enchendo a cidade de música, gargalhada e esperança.
O dia 17 de novembro precisa entrar para o calendário como a maior e mais importante das efemérides: a catarse carioca!

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *