São Luís do Maranhão e Lençóis Maranhenses

Vamos conhecer mais o Brasil nessas férias! Uma boa opção para Janeiro é ir conhecer os Lençóis Maranhenses: é simplesmente deslumbrante!! Os habitantes locais chamam de deserto brasileiro: é uma vasta área de dunas de areia branca a perder de vista.

Lençóis Maranhenses
Foto Yeda Saigh

Saímos de São Paulo e fomos direto à São Luís, capital do Maranhão. Quando chegamos logo percebemos a marca registrada dos portugueses. Apesar de ter sido fundada pelos franceses em 1612, o estilo arquitetônico colonial com mais de três mil sobrados e casarões espalhados pelas ruas e praças do Centro Histórico veio mesmo dos portugueses.

Azulejos portugueses
Foto Yeda Saigh

Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco, boa parte dos sobrados e casarões que datam séculos XVIII e XIX foram restaurados e nos levam a uma viagem ao passado de muita prosperidade. Hoje, os antigos solares do barões abrigam espaços culturais, museus, lojas e restaurantes que preservam em suas fachadas os coloridos azulejos portugueses.
Curiosidade: os navios que saiam do Brasil para Portugal na época do Império iam carregados de ouro: como não podiam voltar vazios, por motivo de segurança, os portugueses mandavam os navios carregados de azulejos para fazer peso. Os maranhenses aproveitaram esses azulejos para revestir as fachadas de suas casas: esse é o verdadeiro motivo de terem tantas casas em S. Luis com azulejos portugueses decorados em suas fachadas.
A cidade pode ser visitada em qualquer época do ano, mas são os meses de Junho e Julho que mais atraem turistas com o fantástico festival “Bumba Meu Boi” que traz à cidade os grupos folclóricos do Maranhão todo.

Curiosidade: Bumba meu boi
São manifestações culturais e religiosas em torno da figura do boi, existem muitas lendas a respeito, porem todas sem fundamento histórico. No nordeste brasileiro a festa do bumba meu boi trata-se de uma dança folclore popular que conta a história da morte e ressurreição de um boi.

Bumba meu boi
Foto Terra Website
Hotel Pestana
Ficamos no Hotel Pestana, antigo Quatro Rodas, ótimo hotel na Praia do Calhau. É o ponto de partida ideal para quem deseja descobrir o charme de São Luís. Fica a apenas dez minutos do Centro Histórico da cidade, a três horas da cidade de Barreirinhas onde encontra-se o deslumbrante “Lençóis Maranhenses” e a vinte minutos do aeroporto.

Hotel Pestana
Foto Yeda Saigh

Pestana São Luís Resort Hotel
Av. Avicênia, 01 – Calhau
Tel.: (98) 2106 0505
www.pestana.com
Fizemos um tour pela cidade visitando o centro histórico e a parte moderna. O Centro Histórico ocupa quase todo o bairro da Praia Grande. As casas coloniais da época dos portugueses ainda são muito bonitas, apesar de não estarem muito bem conservadas.

Centro Histórico
Foto Yeda Saigh

Centro Moderno
Foto Turismo Culturamix
Igreja Matriz da Sé
Erguida pelos jesuítas em 1699 passou por uma série de reformas desde a inauguração. Em 1922, a fachada ganhou detalhes neoclássicos, enquanto nos anos 50 o teto foi incrementado com pinturas. O altar-mor porém, foi preservado com rebuscadas talhas douradas barrocas do século XIX.

Matriz da Sé
Foto Yeda Saigh

Igreja do Carmo
Beleza e história se misturam nessa igreja, erguida em 1627. Em 1643 a construção foi transformada em fortaleza pelos combatentes que expulsaram os invasores holandeses. Já em 1866 teve a fachada revestida por belíssimos azulejos portugueses, preservados até hoje.

Igreja do Carmo
Foto Wikimapia

Igreja do Desterro
Acredita-se que a igreja, inaugurada em 1893, tenha sido erguida no mesmo local onde os colonizadores construíram a primeira capela da região, destruída durante a invasão holandesa.

Igreja do Desterro
Foto Yeda Saigh

Museu de Artes Visuais
O acervo é composto de estilos variados de azulejos portugueses, ingleses, franceses e alemães. Há também coleções de pinturas de artistas brasileiros e de arte sacra do século XVII. Um mirante no terceiro andar com vista do Centro Histórico, da baía de São Marcos e do Mercado Praia Grande.
Rua Portugal, 273
Tel.: (98) 3218 9938
Cafua das Mercês (Museu do Negro)
Antigo depósito de escravos que conta a história dos negros por meio da exposição de obras de arte e objetos da época da escravidão, como instrumentos de tortura. Construído no século XVIII para receber os negros africanos que desembarcavam no Portinho vindos da África para ali serem comercializados. O prédio é pequeno com apenas dois pavimentos e com janelas com pouca iluminação.

Cafua das Mercês
Foto Wikimapia

Rua Jacinto Maia, 43 (Centro Histórico)
Museu Casa do Maranhão
O museu folclórico funciona no antigo Prédio da Alfândega de 1873. As visitas são guiadas e apresentam todo o acervo, formado por vestimentas e instrumentos musicais usados nas festas do Bumba-Meu-Boi.
Rua do Trapiche, s/n
Tel.: (98) 3218 9955
Museu Histórico e Artístico do Maranhão
O preservado Solar Gomes de Sousa, erguido em 1836, foi transformado em museu em 1973. Os objetos em exposição: mobiliário, porcelanas, vidros e cristais, reconstituem os ambientes das ricas residências maranhenses dos séculos XVIII e XIX.
Rua do Sol, 302
Tel.: (98) 3221 4537
Teatro Arthur Azevedo
Com 196 anos de existência, esse é o segundo teatro mais antigo do Brasil (inaugurado em 1817). Em estilo neoclássico ficou abandonada por 30 anos. Restaurado em 2005 e desde 2006, a casa é aberta ao público para espetáculos e visitas guiadas.
Rua do Sol, 180 – Centro Histórico
Tel.: (98) 3218 9900

Teatro Arthur Azevedo
Foto UFM

Restaurantes
Antigamente
Almoçamos no restaurante Antigamente, achei ótimo e fica bem no centro antigo. No estilo botequim, tem mesas de madeira, pedras portuguesas e pinturas coloridas que remetem ao casario da região.

Restaurante Antigamente
Foto Yeda Saigh

Rua da Estrela, 220
Tel.: (98) 3232 3964
Cabana do Sol
Um dos restaurantes mais movimentados da cidade, tem ambiente agradável e sofisticado com decoração típica nordestina.
Rua João Damasceno, 24-A
Tel.: (98) 3235 2586
www.cabanadosol.com.br
Maracangalha
Muito colorido, animado e com vista para o mar, muito movimentado nos finais de semana.
Av. Litorânea, 45
Tel.: (98) 3233 6764
Auguri
Pequeno e decorado com cenas de filmes de Fellini. Ao lado, um simpático café serve tortas perfeitas para a sobremesa.
Av. dos Holandeses, 6, Quadra 9
Tel.: (98) 3227 5050
Continuamos nossa viagem para Lençóis: a porta de entrada para os Lençóis Maranhenses é o município de Barreirinhas. Levamos quatro horas de van de São Luiz até lá, paramos uma hora e meia para tomar um lanche e continuamos até chegar no resort Porto Preguiças.

Barreirinhas
Foto Yeda Saigh

Porto Preguiças Resort
Hotel muito simpático com chalés, ficamos bem à vontade. Nos Lençóis Maranhenses, o Porto Preguiças é o único hotel concebido no conceito Resort em toda a região. São 200.000 m2 de área, às margens do Rio Preguiças e em perfeita harmonia com a natureza e fica dois Km do centro da cidade de Barreirinhas.

Porto Preguiças Resort
Foto Yeda Saigh

Beco do Carnaúbal, Barreirinhas
Tel.: (98) 3349 6050
www.portopreguicas.com.br
Saímos de manhã para dar um passeio numa lancha voadora até Caburé. Paramos em Vassouras, visitamos um artesanato e uma área de proteção ambiental, fomos até Mandacaru, subimos 160 degraus de um Farol de onde se tem uma vista muito bonita e mais artesanatos. Continuamos o passeio de barco até Caburé, sempre pelo Rio Preguiça, no meio de manguezais e igarapés, é deslumbrante! Fomos à praia, tomamos banho de mar, almoçamos no restaurante Porto do Buriti e voltamos para o Resort. Paramos na cidade Barreirinhas no centro para fazer umas comprinhas.

Lancha Voadora
Foto Yeda Saigh
Manguezal
Foto Yeda Saigh

Saímos de Jardineira até uma balsa na margem do Rio Preguiças – Santo Antonio, depois fizemos uma trilha de meia hora a pé até a lagoa do Peixe para chegar nos Grandes Lençóis, lindo de morrer!!!

Jardineira
Foto Yeda Saigh
Balsa
Foto Yeda Saigh

Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses
Considerado um dos destinos mais bonitos do Brasil, os Lençóis Maranhenses espalha-se por uma área de 155 mil hectares, abrigando dunas que chegam a 40 metros de altura, lagoas de águas transparentes com nuances que vão do azul turquesa ao verde escuro, praia desertas e aves migratórias. Esse é um lugar de puro contato com a natureza, com dunas branquinhas pontilhadas por lagoas de água doce. É de perder o fôlego de tão lindo!!!

Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses
Foto Yeda Saigh

A reserva é repleta de trilhas de areia e rios, por isso é importante estar acompanhamento de um guia credenciado e de um veículos com tração nas quatro rodas ou de barco. Não deixe de conhecer a imensa piscina que faz jus ao nome: Azul. Muito bonita mas exige a escalada de uma duna de 40 metros de altura. Todos os sacrifícios são recompensados pelos banhos refrescantes, pelas paisagens únicas e pelo pôr do sol em meios aos montes de areia.
É recomendável levar água e comidas leves para os passeios, uma vez que não há infraestrutura de apoio na área protegida pelo parque. Nem pensar em levar roupas pesadas, apenas: shorts, camisetas, sandálias, chapéu e trajes de banho. Repelentes, óculos escuros e protetor solar é um must na bagagem.

Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses
Foto Yeda Saigh

Para terminar um poema de Ferreira Gullar, poeta maranhense:
Uma parte de mim

é todo mundo:

outra parte é ninguém:

fundo sem fundo.


uma parte de mim

é multidão:

outra parte estranheza

e solidão.


Uma parte de mim

pesa, pondera:

outra parte

delira.


Uma parte de mim

é permanente:

outra parte

se sabe de repente.


Uma parte de mim

é só vertigem:

outra parte,

linguagem.


Traduzir-se uma parte

na outra parte

– que é uma questão

de vida ou morte –
será arte?
 

 
Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses – Brasil
Boa viagem!
Colaborador:
Pedro Henrique de A. Pereira

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *