Confesso que chorei

Não estou posando de crítica de cinema, não tenho a menor competência para tal. No entanto, vou me permitir palpitar sobre um filme lindo, Green Book.

Acho – apenas acho, uma vez que, como já disse, nada sei sobre a Sétima Arte – que é um tratado sobre a generosidade. Duas personagens antagônicas interagem, se entregam e se integram. Tony Lip (Viggo Mortensen) é um ítalo-americano bronco e rude, que acredita na força bruta. Doctor Don Shirley (Mahersala Ali, indicado para o Oscar de ator coadjuvante), um pianista negro, que sofre todas as humilhações possíveis no deep south norteamericano do início da década de 1960. Lip é grosseiro e mal educado. Shirley, poliglota, refinado e sofisticadíssimo.
Wladmir Horowitz, um dos magos do piano no século XX, declarou que Shirley tocava com a força dos deuses. Mas nem a sua própria gravadora reconhece tanto talento. Despacha-o para uma tournê pelo Sul para interpretar blues e vender discos. Tony Lip é o seu motorista e a convivência forçada, complicada no início, acaba revelando a alma delicada de cada um, capazes, ambos, de se colocar no lugar do outro e de perceber as suas dores. Lip entende a solidão do pianista, com dois títulos de doutorado e anos de estudo no Conservatório de Leningrado, mas que nunca, na mente norteamericana da época, consegue deixar de ser apenas um negro.
Há anos não choro em cinema, mas chorei quando Shirley, finalmente, consegue interpretar Chopin. Lip, que nem sabe pronunciar o nome do compositor polonês, se emociona com a força e a beleza da música e o talento do boss, como ele chama o doc. Uma cena rápida, mas delicada e intensa.
Quem puder, vá assistir Green Book, vale a pena. Baseado numa história verdadeira, o filme tem ainda outro atrativo: a produção. Ambientado em 1962, época em que, segundo o jargão da época, eu já era uma mocinha, Green Book revela uma Nova York quase irreconhecível. A famosa boite Copacabana, em Manhattan, é de doer de brega. Os carros, as modas, as roupas, os penteados são quase inacreditáveis.
Sério, eu não sabia que já era jurássica.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *