Menos é mais? Test-drive com a nova Equinox Premier 1.5

Há quase exatos dois anos, fiz um test-drive aqui para o blog e para a TV Rebimboca com a então recém lançada Chevrolet Equinox Premier (veja aqui o post e aqui o vídeo anteriores). Naquela época, o carro, que é fabricado no México, estava disponível aqui no Brasil em duas versões, ambas equipadas com um parrudo motor 2.0 turbo de 262 cv de potência e 37 kgfm de torque. De olho, quem sabe, em morder uma fatia um pouco maior do mercado de SUVs, a General Motors resolveu trazer também para cá versões um pouco mais baratas do carro, equipadas com motor 1.5 turbo e que já estavam disponíveis na América do Norte. É da mais sofisticada delas, que também se chama Premier, que falamos aqui hoje – e no vídeo acima.

Em termos de espaço interno, acabamentos e recursos, as duas Premier, 1.5 e 2.0, são praticamente idênticas. Ou seja, a principal – e única grande – diferença entre aquele carro anterior e este é mesmo a mecânica. O motor 1.5 rende 172 cv de potência e 27,8 kgfm de torque e a transmissão também é outra. Enquanto no 2.0 o câmbio automático tem nove marchas e você pode escolher entre usar ou não a tração nas quatro rodas, neste aqui são seis marchas e a tração é do tipo integral permanente. É o próprio sistema que decide quanta força vai jogar em cada uma das rodas, de acordo com a necessidade.

Na prática, apesar e da potência e do torque menores, a Equinox 1.5 anda bastante bem. Se não chega a ser emocionante como sua irmã mais parruda, ela dá conta do recado sem aparentar grandes esforços. Basta acelerar que ela atinge velocidades de cruzeiro rapidamente e as mantém com pouco ruído. Embora não chegue nem perto de fazer suas costas colarem no banco como a 2.0, esse SUV é até bastante esperto e dócil de conduzir. Há um bom controle de estabilidade e o sistema de gerenciamento da tração torna o carro muito seguro em pistas escorregadias – como no asfalto liso sob temporal, por exemplo. A distribuição da força entre os dois eixos também torna as arrancadas mais rápidas e eficientes.

 

Na rua, na estrada, na avenida

Durante o nosso teste, usei o carro em condições muito parecidas com as que tinha usado com o outro modelo. Rodei na cidade, com trânsito pesado e mais livre, e também peguei uma boa estrada, com quatro pessoas e bagagem a bordo. Dos passageiros, aliás, só ouvi elogios sobre o espaço e o conforto, além do prazer de viajar em um caro alto com teto panorâmico.

 

Como menciono no vídeo, esperava que o consumo dessa versão 1.5 fosse ser um pouco mais baixo. Segundo o computador de bordo, na média, durante a semana em que a dirigi por ruas e estradas, ela percorreu 9,6 km por litro de gasolina. No teste anterior, sua irmã 2.0 havia consumido 1 litro para cada 9,5 km – ou seja, virtualmente o mesmo!

Talvez o fato de a versão mais forte ter um câmbio com um número maior de marchas (nove contra seis, desta) explique, ao menos em parte, essa proximidade. Afinal, com mais “degraus na escada”, o esforço – e, logo, o consumo – é menor. Outra coisa que me ocorreu é que na Premier 2.0, a grade da entrada de ar dianteira se fecha automaticamente em velocidades mais altas, melhorando a aerodinâmica – e, assim, também reduzindo um pouco o consumo. Esse recurso não está presente na Premier 1.5.

 

Mas tudo isso, reconheço, são meras suposições. Nossos testes não são feitos em condições ideias e idênticas e, portanto, pode haver algumas distorções. De qualquer modo, no material de divulgação da fábrica, a diferença de consumo indicada entre as duas versões é de cerca de 12%, o que é relativamente pouco, mesmo.

Vale a compra?

No final, todos esses fatores me fizeram concluir o seguinte: se eu fosse comprar uma Chevrolet Equinox 1.5 (da qual gostei do desempenho, diga-se de passagem), provavelmente optaria pela versão mais barata da linha a LT, que custa cerca de R$ 130 mil (veja os preços exatos de todas as versões no final do post). Embora não possua todos os recursos bacanas da Premier – como o teto panorâmico e a tração integral, por exemplo –, ela me parece oferecer o melhor custo-benefício, pois sai por cerca de R$ 25 mil a menos que esta do post e do vídeo. Se, no entanto, optasse por levar todo o ótimo pacote de recursos e acessórios da Premier, escolheria a que tem motor 2.0 e que custa somente cerca de R$ 8 mil a mais que sua irmã 1.5.

 

 

Na prática, acho que a maior concorrente da Equinox Premier 1.5 é a Equinox Premier 2.0. Isso em termos familiares, é claro, pois há outras ótimas opções de SUVs médias no mercado brasileiro e, mais do que simplesmente técnica, a escolha entre elas também está relacionada ao preço, ao estilo e à personalidade de cada uma delas e de seus pretendentes.

 

Ficha técnica (dados do fabricante):

Motor: dianteiro, transversal,

quatro cilindros, 16 válvulas,

1.490 cc, injeção direta, turbo, gasolina

Potência: 172 cv @ 5.600 rpm

Torque: 27,8 kgfm entre 2.500 e 4.500 rpm

Performance: Aceleração de 0 a 100 km/h em 9,2 segundos

Velocidade máxima 196 km/h

Transmissão: câmbio automático de 6 marchas

tração integral (4×4) sob demanda

Suspensão: independente McPherson na dianteira e multibraços na traseira

Freios: discos ventilados na dianteira e discos sólidos na traseira com ABS e ESP

Rodas: alumínio aro 19″

Pneus: 235/50 R19

Dimensões (mm): comprimento 4.652, largura 1.843, altura 1.697

e entre-eixos 2.725

Peso: 1.606 kg

Capacidades (litros): Porta-malas: 468, Tanque: 59

Chevrolet Equinox 1.5 Premier 2020

Preços:

LT 1.5 Turbo – R$ 129.990

Midnight 1.5 Turbo – R$ 131.900

Premier 1.5 Turbo – R$ 154.990

Premier 2.0 Turbo – R$ 162.990

Para mais detalhes sobre os diferentes pacotes de recursos e acessórios que diferenciam as versões, sugiro que você consulte o site da montadora – www.chevrolet.com.br

Fonte: Blog Rebimboca

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *