Manter o carro limpo para não transportar o coronavírus

Com a pandemia de gripe pelo novo coronavírus batendo à porta, resolvi usar o nosso espaço aqui para trazer alguns conselhos específicos para motoristas. Sem paranoia, mas com cuidado.

Como vocês devem estar já até cansados de ler e ouvir, para evitar o contágio e – principalmente – a transmissão do vírus, é muito importante manter as mãos e objetos de uso mais constante limpos. E poucas atividades exigem tanto contato manual constante com componentes diversos quanto dirigir. Imagine-se agora ao volante e você vai se lembrar, de cara, de uns dois ou três pontos de contato permanente – a começar pelo próprio volante, claro.

Maçanetas (externas e internas), comandos da multimídia, alavanca de mudança (mesmo nos modelos automáticos) e comandos diversos (setas, faróis, esguicho do para-brisa, abertura das portas e vidros…) e fivelas dos cintos de segurança merecem uma boa limpada, pelo menos uma vez por dia. E mais vezes, se você usar o caro de forma compartilhada com outras pessoas.

No caso dos motoristas de táxi, de aplicativos ou outros que costumam levar diferentes passageiros, o cuidado com as maçanetas, comando das portas e fivelas dos cintos de segurança é recomendável também. E, sempre que possível, fazer uma limpeza superficial do estofamento do banco dos passageiros e, também, da parte de trás dos encostos dos bancos da frente. Isso será mais fácil, claro, se estes forem forrados com um material plástico ou couro. Para fazer essa limpeza nos bancos, o ideal é usar luvas descartáveis e, claro, lavar bem as mãos com água e sabão depois.

O que usar?

O ideal é usar um papel toalha, tecido ou esponja macia descartáveis, com um pouco um bom detergente ou sabão – que você deve aplicar e, depois, remover com um outro papel ou esponja umedecido em água. Tome cuidado, é claro, para não encharcar e acabar danificando componentes elétricos dos painéis e interruptores. Se preferir, pode usar um desinfetante com perfume ou mesmo um pouco de água sanitária diluída, mas verifique antes se o produto não vai danificar ou manchar as superfícies que for limpar.

Outra boa medida é, pelo menos umas duas vezes por dia (de manhã e à noite, por exemplo), deixar as janelas do carro abertas, para que o ar circule. Se já faz tempo que não manda higienizar o sistema de ar-condicionado do possante, esta pode ser uma boa oportunidade.

O álcool gel (ou mesmo líquido) pode ser usado como complementação da limpeza ou para as suas mãos, em ocasiões em que não tiver possibilidade de usar sabão.

No mais, podendo, deixe o carro na garagem e evite sair de casa quando não for realmente necessário. É chato, mesmo, ter nossa liberdade limitada, mas o sacrifício vai valer a pena. Não somente para cada um de nós, mas principalmente para toda a coletividade. Afinal, o que mais transmite o coronavírus é o egoísmo, e o melhor antídoto para ele é a solidariedade.

Álcool x bafômetro

Em um vídeo em seu canal no Youtube, o piloto e apresentador do programa Autoesporte Cesar Urnhani – de quem sou, há tempo, admirador – demonstra que usar (e respirar o vapor resultante) álcool gel no carro pode levar a um resultado positivo no teste do bafômetro.

Pelo que pesquisei, isso pode acontecer, mesmo, mas somente durante alguns minutos após o uso do produto. Como ele não é ingerido, a pequena quantidade de vapor inalada será rapidamente eliminada do organismo e, um novo teste um pouco depois terá resultado negativo.

Mas, como não pude comprovar nada disso na prática, sugiro que você só use o álcool gel para limpar as partes de contato do carro quando já estiver na garagem. Para outras ocasiões, use um outro produto – como o já mencionado sabão ou detergente, sem álcool, mas bastante eficientes contra o coronavírus.

Fonte: Blog Rebimboca

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *